terça-feira, 28 de maio de 2013

GOVERNO APOSTA EM ALTA DE 17% NA RECEITA COM TURISTA DE FORA


 
O Ministério do Turismo quer elevar para US$ 10,8 bilhões (cerca de R$ 22 bilhões) a receita do país com turismo internacional até 2016.
A meta faz parte do Plano Nacional de Turismo 2013-2016, publicado no "Diário Oficial".
A Copa do Mundo, no ano que vem, e a Olimpíada, em 2016, são grandes apostas.
A previsão é a de que a receita com turistas internacionais de 2013 para 2014 (ano da Copa) cresça 17%, enquanto a elevação prevista de 2014 para 2015 é de 3%.
O objetivo é tornar positiva a balança de quanto os estrangeiros deixam por aqui - US$ 6,65 bilhões em 2012 - e quanto os brasileiros gastam lá fora - US$ 22,2 bilhões no mesmo período.
As metas incluem atrair mais estrangeiros e elevar as viagens domésticas. Para o ano que vem, são esperados 7,2 milhões de turistas de fora. Em 2015, o número cai para 7,1 milhões e, depois, em 2016 (Olimpíada), 7,9 milhões.
No ano passado, 5,8 milhões visitaram o Brasil.
Com as metas, e contando com os megaeventos esportivos, o ministério espera colocar o Brasil como a terceira maior economia turística do mundo até 2022.
Bem mais otimista que a previsão do WTTC (Conselho de Viagem e Turismo Mundial, na sigla em português), segundo quem o país, que em 2011 estava na sexta posição, será o quinto da lista até lá.
 
(Fonte & Imagem : Jornal Folha de São Paulo)

PLANO NACIONAL DE TURISMO TRAÇA METAS PARA OS PRÓXIMOS QUATRO ANOS


 
O Plano Nacional de Turismo 2013-2016, publicado no Diário Oficial da União na ultima sexta-feira (24), revela as expectativas positivas do governo com o setor, com previsões de aumento significativo nos indicadores das cinco metas para o período. O objetivo é levar o Brasil à condição de 3ª economia turística mundial até 2022. No ano passado, o setor cresceu 6%, valor acima da média mundial e já contribui com 3,7% do Produto Interno Bruto nacional. “Temos metas audaciosas, mas o potencial da indústria turística no Brasil nos permite fazer tais projeções”, afirma o ministro do Turismo, Gastão Vieira.
Estima-se que a chegada de turistas estrangeiros no país avance de 6,2 milhões, estimados para este ano,  para 7,9 milhões até 2016 (crescimento de 8% ao ano). Da mesma forma, os gastos dos visitantes aumentariam de US$ 7,7 bilhões para US$ 10,34 bilhões (acréscimo de 11,69% ao ano) e os empregos formais no setor passariam de 3,1 milhões para 3,59 milhões (aumento de 6,64% ao ano). As viagens dos brasileiros pelo país também serão mais frequentes. Estima-se que os 215,6 milhões de vôos domésticos, previstos para 2013, sejam mais de 250 milhões em 2016 (crescimento de 6,14% ao ano). Somente no mês da Copa do Mundo, o país deverá receber 600 mil estrangeiros e faturar com a realização de 3,1 milhões de viagens internas.
O documento dedica um capítulo à realização de grandes eventos. A expectativa é que os investimentos do MTur em obras de infraestrutura, qualificação profissional e de serviços, entre outras ações, contribuam para a elevação em 12,9% no índice médio de competitividade dos destinos turísticos nacionais, outra meta do PNT. O índice, criado pela parceria MTur, Sebrae, FGV, é medido anualmente há quatro anos, em 65 municípios, com o objetivo de avaliar o estágio de desenvolvimento do turismo nestas localidades e subsidiar políticas públicas.

MEGAEVENTOS

 
Os eventos internacionais que o Brasil começa a sediar este ano, com a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude, são descritos no PNT grandes oportunidades para aumentar a visibilidade e consolidar o Brasil como um dos principais destinos turísticos do mundo. O MTur, cumprindo seu papel na matriz de responsabilidade da Copa de 2014, realiza investimentos de mais R$ 212,5 milhões (2012/13) nas cidades-sede para a realização de obras de sinalização turística, acessibilidade a atrativos turísticos, e de centros de atendimento ao turista.
O MTur mantém parcerias com a iniciativa privada para aumentar a oferta de hospedagem no país. O esforço resultou na criação no programa PróCopa Turismo que no ano passado, ampliou de R$ 1 bilhão para R$ 2 bilhões o volume de crédito disponível no BNDES para a construção e reforma de hotéis. O programa de qualificação Pronatec Copa  tem como meta treinar e formar 240 mil pessoas para atuar em profissões relacionadas á recepção de turistas.
O PNT 2013-2016 resulta do esforço integrado do governo federal, envolvendo a iniciativa privada e o terceiro setor, por meio do Conselho Nacional de Turismo, sob coordenação do MTur. Alinhado ao Plano Plurianual 2012/2015, define as contribuições do setor para o desenvolvimento econômico, social e a erradicação da pobreza.
 
(Fonte : MTur)

ESTUDO PREVÊ NOVA CRISE AÉREA NO BRASIL EM 7 ANOS


 
O Brasil passará por um segundo gargalo aéreo na década de 2020, após a Copa do Mundo e as Olimpíadas.
Hoje, os problemas se concentram nos terminais de embarque. Dez dos principais aeroportos brasileiros têm essa estrutura saturada.
Mas mesmo que esse nó seja desatado, o país terá de lidar em seguida com a saturação nas pistas e no tráfego de aviões sobre os aeroportos.
Hoje, já há uma pista sobrecarregada: a do aeroporto de Congonhas. Um novo estudo da FGV aponta que isso vai se alastrar. A pista de Viracopos deve chegar ao seu limite até 2020. A partir daí, a situação se complica: até 2030, mais uma dezena de aeroportos nas principais capitais vão precisar de investimentos em suas pistas.
Isso porque o atual "caos aéreo" brasileiro não é exatamente aéreo, mas terrestre, no embarque. Já o número médio de pousos e decolagens por hora em si é baixo: 38, ante uma média global de 88.
Com o tempo, a tendência é que o número brasileiro se aproxime do internacional.
Em 2002, o Brasil realizou apenas 36 milhões de embarques. Em 2012, já eram 101 milhões, mas para os especialistas esse número ainda é pequeno para um país de 200 milhões de habitantes.
Os EUA, com população de 300 milhões, realizam 650 milhões de embarques ao ano. A FGV estima que o Brasil terá 195 milhões de passageiros em 2020 e 312 milhões em 2030.
Nesse cenário, serão necessários investimentos de cerca de R$ 30 bilhões até 2030 para adequar os aeroportos.
A maior parte desse valor, entre R$ 10,7 bilhões e R$ 14,2 bilhões, terá de ser desembolsada entre 2020 e 2030.
Para Gesner Oliveira, coordenador do estudo, a solução para eliminar esses gargalos é expandir o investimento privado no setor. Nesse sentido, as primeiras concessões, realizadas pelo governo federal em fevereiro de 2012 (Guarulhos, Viracopos e Brasília), devem trazer investimentos de cerca de R$ 16 bilhões.
Para Oliveira, evitar um segundo apagão aéreo após os grandes eventos esportivos dependerá da agilidade nas novas concessões. "Além disso, se só um grupo controlar os principais aeroportos, não haverá concorrência nem melhor qualidade do serviço".
Em evento na Fiesp no começo do mês, o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Marcelo Guaranys, disse que os estudos prévios para os editais dos aeroportos de Galeão (RJ) e Confins (MG) estão em fase de conclusão.
 
(Fonte & Imagem : Jornal Folha de São Paulo)

O PESADELO DOS AEROPORTOS


 
O Brasil está a poucos dias do primeiro dos grandes eventos esportivos que colocarão à prova a capacidade do País de receber bem milhares de visitantes. À Copa das Confederações, de 15 a 30 de junho, é considerada apenas um “teste” para a Copa do Mundo, de 12 de junho a 13 de julho do ano que vem, porque deverá atrair somente urna fração dos esperados 6oo mil turistas estrangeiros no Mundial. Ainda assim, já há motivos para muita preocupação, porque o próprio governo federal, tão afeito a malabarismos retóricos para negar a realidade, acaba de admitir que é pequena a capacidade de investimento na infraestrutura dos aeroportos e, por isso, suas reformas estão bastante atrasadas.
No caso do Galeão, por exemplo, foram gastos em dois anos somente cerca de 5% do que estava disponível, conforme informou o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, no seminário “Desafios da Aviação Civil no Brasil”, promovido pela Câmara dos Deputados. Moreira Franco disse que há atrasos nas obras da maioria dos 23 aeroportos incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento. São reformas que estão sob responsabilidade da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), porque os aeroportos em questão são todos administrados pelo Estado. Nessa lista estão aeroportos de cidades-sede da Copa de 2014,. um indicativo de que haver4i muita correria nos próximos meses para respeitar o cronograma.
"Não existe plano B, só plano A”, disse Moreira Franco. A Copa esta com o calendário definido e todos os esforços precisam ser feitos para cumprir os prazos.” Considerando-se que a escolha do Brasil para sediar a Copa foi feita em 2007 e que o calendário da competição foi anunciado cm 2011, não é possível falar cm surpresa ou cm imprevisto, mas apenas em incompetência.
Na opinião de Moreira Franco, os problemas nas reformas dos aeroportos não se devem à falta de recursos, mas a projetos “de baixa qualidade”. O ministro responsabilizou diretamente o Tribunal de Contas da União TCU) pelo problema. Segundo sua lógica. o TCU, ao barrar projetos que preveem custos considerados muito altos, acaba obrigando o poder público a buscar alternativas mais baratas, mas que não são, necessariamente, as melhores. “Temos de entender que gastar não é pecado. Se quisermos fazer um grande projeto, temos de ter as melhores empresas de engenharia, os melhores projetistas. Só se faz isso gastando", afirmou o ministro. Com isso, Moreira Franco tenta convencer o País de que o problema é meramente técnico, e não de gestão, e que basta gastar mais para ter resultados satisfatórios. Trata-se de uma falácia.
O trabalho do TCU é fiscalizar se o gasto previsto em determinada obra pública corresponde ao projeto. Os engenheiros do tribunal — que, segundo Moreira Franco, são mais bem remunerados que seus colegas que trabalham nas reformas dos aeroportos — verificam se o edital foi respeitado, se houve aditivos desnecessários e se há irregularidades. A ação do tribunal gera economia — no caso das reformas e portos e aeroportos para a Copa, ela é da ordem de RS 400 milhões — porque simplesmente se evitou desperdício de dinheiro público, e não porque o TCU tenha feito alguma pressão para que se optasse por serviços mais em conta.
O fato que o governo ja começa a procurar culpados por um eventual desastre na Copa, e o TCU tem sido há tempos o vilão preferencial — quando era presidente, Luiz Inácio Lula da Silva criticou diversas vezes o tribunal por paralisar obras sob, suspeita e chegou a questionar sua credibilidade. Enquanto isso, o governo petista, que vive de marketing, já começou a espalhar pelos aeroportos os adesivos alusivos à sua campanha ufanista “A Pátria de Chuteiras", com mensagens de boas-vindas aos turistas que virão para a Copa das Confederações. Quem sabe se, com a simpatia brasileira patrocinada pelo Ministério do Turismo, os visitantes esqueçam um pouco os dissabores que enfrentarão nos aeroportos.
 
(Fonte : Jornal O Estado de São Paulo)

COMPETIÇÃO GARANTE INVESTIMENTOS EM AEROPORTOS


 
A competição é essencial para garantir investimentos em aeroportos. Foi essa a conclusão do estudo preparado pelo Grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais, da escola de administração de empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV). O levantamento, coordenado pelo professor da FGV Fernando Marcato e pelo ex-presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Gesner Oliveira, destaca o atraso dos aeroportos brasileiros em relação aos de outros países.
Para que os 20 aeroportos do País atendam ao forte crescimento da demanda, a uma taxa atual de 10% ao ano, serão necessários investimentos entre R$ 25 bilhões e R$ 34 bilhões até 2030, aponta a pesquisa. De acordo com Oliveira, “os aeroportos brasileiros estão em frangalhos”. Dados da Fiesp, que constam do levantamento do grupo, mostram que o número médio de pousos e decolagens por hora no Brasil é de 38, apenas 43% da média internacional, que é de 88.
Segundo o estudo, será necessário investir muito para dotar o Brasil de aeroportos adequados. “Um concessionário privado que visa lucro e tem que prestar contas aos seus acionistas só fará isto se houver boa regulação e concorrência para conquistar clientes”, afirma Oliveira. O estudo traz outros dados do setor aeroportuário do País. Mostra, por exemplo, que o tempo de liberação de cargas nos aeroportos brasileiros é dez vezes superior à média internacional. No Brasil, esse tempo é de 3,7 mil minutos ao ano, enquanto na média no Exterior é de apenas 324 minutos.
“O aeroporto é um mercado de duas pontas. Ele procura atender, ao mesmo tempo, as companhias aéreas e os passageiros. Em relação às empresas, os aeroportos competem no que diz respeito a tarifas aeroportuárias, serviços e infraestrutura. Já para os passageiros, o estabelecimento precisa ser dotado de atividades comerciais, qualidade e fácil acesso”, concluiu o ex-presidente do Cade.
 
(Fonte : Panrotas)

INFRAERO NEGOCIA COM OPERADORAS PARA ADMINISTRAR AEROPORTOS PRIVATIZADOS


 
A Infraero está conversando com pelo menos sete operadores de aeroportos, entre eles os de Munique e Berlim, para se associar à subsidiária criada no ano passado, com a função de coadministrar os terminais que foram privatizados. Segundo o presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Antonio Gustavo Vale,o sócio deve ser escolhido até o fim do ano.
A ideia, segundo ele, é que a nova empresa, batizada de Infraero Serviços, comece a operar a partir de janeiro do ano que vem. A busca por um sócio, no entanto, está atrasada em relação ao que foi anunciado em dezembro do ano passado, quando a subsidiária foi criada. Na ocasião, a Infraero afirmou que o parceiro seria escolhido até junho deste ano.
Questionado sobre o montante que gostaria que o sócio aportasse na empresa, Vale disse que o valor ainda está sendo estudado pelo Banco do Brasil, responsável pela precificação e pelo plano de negócios da Infraero Serviços. “Esperamos que até o fim de outubro o plano de negócios esteja pronto para que possamos procurar operadores internacionais para oferecer essa participação minoritária”, afirmou.
 
EXPERIÊNCIA
 
Segundo o presidente da Infraero, a escolha do parceiro vai levar em consideração a experiência dele na administração de aeroportos, a exemplo do que está sendo exigido para o operador dos aeroportos de Confins e Galeão. Nesses casos, o governo definiu que o operador deverá ter experiêncianaoperaçãodeaeroportoscom35 milhões de passageiro/ ano. “Mas deve ser bem melhor do que isso”, disse.
A ideia, segundo Vale, é que o sócio possa trazer novas tecnologias e sistemas para a operação dos aeroportos, além de expertise na administração. “O monopólio traz uma certa acomodação. Mas a concorrência obriga a buscar novas tecnologias. Como sabemos que na Europa há inúmeros operadores e o circuito é pequeno, vamos aprender com eles”, disse.
Já os planos de abertura de capital da empresa estão mantidos para 2017. “Antes de qualquer coisa, precisamos definir quais são os ativos da Infraero”, justificou Vale, sinalizando que é necessário primeiro que a empresa detenha a concessão de alguns aeroportos.
A ideia é que a Infraero Serviços concorra com outros operadores em eventuais concessões de aeroportos regionais (estaduais e municipais), além de realizar consultoria e outros serviços para esse mercado. Vale não descarta a atuação no exterior.

PAPEL

 
Inicialmente, o governo não conseguiu explicar com clareza qual seria o papel da Infraero Serviços. Mas depois esclareceu que a nova empresa terá foco na prestação de serviços nos aeroportos administrados pela Infraero e na assessoria a prefeituras em projetos de aeroportos regionais. Ela terá como uma das tarefas absorver tecnologia internacional em gestão de aeroportos e aplicá-la no País. A empresa terá uma participação de até 49% nos consórcios que administrarão os terminais privatizados.
Com a Infraero Serviços, o organograma do setor aeroportuário em Brasília passa a ganhar um novo ator. Ao todo são cinco protagonistas, entre eles o Ministério dos Transportes e a Agência Nacional de Aviação Civil. A subsidiária foi a quarta estatal criada pela presidente Dilma Rousseff, depois da Amazônia Azul Tecnologias de Defesa, da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias e da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística.

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE CONFINS E GALEÃO DEVE SER EM MAIO


O presidente da Infraero, Antonio Gustavo Matos do Vale, reiterou ontem que “possivelmente” ainda em maio será levado para audiência pública o edital dos leilões dos aeroportos de Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Belo Horizonte.

“Depois, as contribuições serão consolidadas pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para que possa ser enviado ao TCU (Tribunal de Contas da União)”, comentou, durante o Latin ‘American Airports Seminars’, que aconteceu ontem, em São Paulo. O governo tem reiterado que o plano é publicar o edital em agosto, com a realização do leilão em setembro.
“Tenho convicção de que, quando o leilão for feito, em setembro, será um sucesso grande, como foi o dos outros três aeroportos”, disse Vale, referindo-se à forte disputa pelos ativos observada no ano passado.
O presidente da Infraero afirmou também que não existe mais nenhum estudo em andamento para a concessão dos demais aeroportos
 
(Fonte & Imagem : Jornal O Estado de São Paulo)

RESERVA DE HOTEL PARA COPA DAS CONFEDERAÇÕES DEVE SER FEITA O QUANTO ANTES


 
Ainda há vagas nos hotéis de Recife (PE) para o período da Copa das Confederações, mas a seção pernambucana da Abih (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) recomenda que os visitantes não deixem para fazer suas reservas na última hora.
Segundo o diretor-executivo da entidade, Carlos Maurício Periquito, a procura por vagas aumentou nos últimos dias, e quem se atrasar poderá não encontrar lugar nos seus hotéis preferidos.
"Haverá vagas, mas eles poderão ser obrigados a procurar hospedagem em outros hotéis que não sejam os de sua escolha", afirmou.
As tarifas cobradas hoje, disse o diretor, oscilam entre as de baixa e média temporadas - de R$ 120 a R$ 550. E a tendência é que se mantenham assim até o torneio, declarou ele.
No litoral sul, onde muitos turistas que vêm a Pernambuco preferem se hospedar, a ocupação hoje é um pouco maior devido à ausência de chuvas, que seriam comuns nesta época.
Com jogos em junho, o diretor da associação recomenda que os turistas aproveitem para conhecer a tradição do São João, "grandioso no Nordeste".
 
(Fonte : Jornal Folha de São Paulo)

VERSARE HOTÉIS PARTICIPA DA BNT MERCOSUL


 
A Versare Hotéis participou da 19ª edição da BNT Mercosul – Bolsa de Negócios Turísticos, realizada no Parque Beto Carrero World, em Penha (SC). Junto ao estande do Sanfelice Hotel, associado à rede em Balneário Camboriú, a Versare atendeu aos visitantes da feira de negócios e divulgou seus hotéis com o objetivo de aumentar suas ocupações hoteleiras e atrair novos associados e parceiros para a rede.
 
Sobre a Versare
 
A Versare já nasceu sendo uma das maiores redes nacionais em números de hotéis e tem como meta o trabalho em conjunto de seus associados, em busca de qualificação e fortalecimento do setor. O nome Versare, do latim, significa “voltar” e representa o que a rede espera de todos os que procuram pelo seu serviço.
 
(Fonte : R&A Comunicação)

quinta-feira, 23 de maio de 2013

PREÇOS ABUSIVOS ATRAPALHAM SETOR DE TURISMO NO BRASIL, DIZ PRESIDENTE DA EMBRATUR


 
Os gastos dos turistas brasileiros no exterior chegaram a US$ 6 bilhões nos três primeiros meses de 2013. São US$ 700 milhões a mais do que no período equivalente do ano passado e US$ 1,3 bilhão a mais do que no primeiro trimestre de 2011. Os números foram apresentados nesta quarta-feira (22) à Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo pelo presidente da Embratur, Flávio Dino, e realçam o déficit existente entre a quantidade de brasileiros que viaja para fora e a de estrangeiros que visita o Brasil.
A CDR realizou audiência pública com objetivo de debater as estratégias do país para promover o turismo a partir dos megaeventos que estão agendados no Brasil, como a Jornada Mundial da Juventude, da Igreja Católica, e a Copa das Confederações, a serem realizadas em julho deste ano, além da Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.
- Apesar de o receptivo internacional crescer, ainda temos tendência de déficit. O fato gerador é o grande numero de viagens internacionais feitas pelos brasileiros. Isso não é motivo de críticas, pois demonstra a pujança da vida econômica dos brasileiros, mas significa geração de empregos e negócios em outros países. Evidentemente que, num Estado Democrático de Direito, não se cogita nenhuma medida restritiva. Porém, temos que analisar a ausência de competitividade e os preços melhores das viagens para fora. É um debate de toda a sociedade, não apenas da Embratur ou do Ministério do Turismo – afirmou.
Segundo Flávio Dino, o turismo internacional no país cresceu 4,5% no ano passado, ainda assim está longe de compensar o volume de saídas de brasileiros. Os Estados Unidos são um bom exemplo. Cerca de 600 mil americanos vêm ao Brasil anualmente. Em compensação, mais de 1,5 milhão de brasileiros viajam aos Estados Unidos.
A solução, de acordo com o presidente da Embratur, passa por três providências: o fortalecimento de ações de promoção do Brasil no exterior; a facilitação da entrada de estrangeiros no Brasil, com a revisão da política de vistos; e a melhoria da competitividade, com a prática de preços justos, o que vai depender fundamentalmente da participação do setor privado.
- Avançamos um pouco no ano passado, com duas medidas adotadas pelo governo federal, que foi a redução da tarifa da energia elétrica e a inclusão da rede hotelaria e da aviação no Plano Brasil Maior. Mas é preciso avançar numa agenda de desoneração tributária para que o Brasil não perca este momento favorável que temos à frente – disse.
 
ABUSOS
 
O presidente da Embratur afirmou que a rede de hotéis do Brasil está crescendo com os investimentos do setor privado, mas admitiu o risco de cartelização e de práticas abusivas de mercado, com margens abusivas de lucro, o que resulta em tarifas caras sem justificativa:
– Eu nunca encontrei razão científica, concreta e objetiva para muitas das tarifas hoteleiras cobradas no Brasil. Isso é um equívoco. É a renúncia ao futuro pelo lucro imediato e compromete a imagem do Brasil de modo duradouro. Essa questão tem que ser olhada com cuidado – afirmou.
A falta de concorrência no setor de aviação também preocupa, assim como o preço das passagens, outro item que precisa ser debatido na opinião do presidente da Embratur.
Ele defendeu duas medidas importantes para o setor, como a imediata implantação do Plano de Aviação Regional, lançado recentemente pela presidente Dilma Rousseff, e a adoção da política de céus abertos na América do Sul, a exemplo do que acontece na União Européia, detalhe que foi defendido também pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA):
- A concorrência é pequena porque não temos abertura do céu a empresas de outros países que possam concorrer com as nossas. Hoje não há outra  alternativa que não seja abrir os céus para haver uma concorrência que nos leve a um serviço de qualidade por um preço melhor – opinou.
 
MAIS DEBATES
 
Os grandes eventos internacionais voltarão à pauta da comissão. A reunião desta quarta-feira (22) foi conduzida pelo presidente da CDR, Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), que informou a realização de nova audiência para 5 de junho, desta vez para debater os impactos econômicos e os legados dos megaeventos ao setor turístico nacional.
 
(Fonte : Agência Senado de Notícias)

EMBRATUR DEFENDE FACILITAÇÃO PARA ENTRADA DE ESTRANGEIROS


 
O presidente da Embratur, Flávio Dino, defendeu a facilitação da entrada de estrangeiros no país e considerou “desastrosa” a exigência de visto para cidadãos norte-americanos entrarem no Brasil. Segundo ele, Estados Unidos e Argentina são os maiores emissores de turistas para o país. Em 2012, 5,7 milhões de turistas estrangeiros visitaram o Brasil, crescimento de 4,5%, em relação ao ano anterior, segundo ele.
Durante audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Regional do Senado, nesta quarta-feira (22), Dino disse ainda que a vinda de argentinos diminuiu significativamente em razão de medidas fiscais e tributárias adotadas pela presidenta Cristina Kirchner que aumentam a tributação de viagens internacionais.
No caso de cidadãos norte-americanos, o presidente da Embratur ressaltou que, por ano, cerca de 600 mil visitam o Brasil e que esse número tem se mantido estável nos últimos anos, enquanto mais de 1,5 milhão de brasileiros visitam anualmente aquele país. “A exigência de visto faz com que os americanos prefiram o Caribe”, disse.
O Brasil adota o princípio da reciprocidade de tratamento nas relações internacionais, por isso mantém a exigência de visto para cidadãos norte-americanos. No ano passado, os dois países discutiram acordo para isenção de visto, em encontro do ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, com a secretária de Estado, Hillary Clinton.
 
(Fonte : Agência Brasil)

EMENDA VETA VISTO DEFINITIVO A BRASILEIROS NOS EUA


 
Washington - Ao aprovar na quarta-feira, 22, um projeto de lei para liberar recursos para a segurança interna dos Estados Unidos em 2014, o Comitê de Finanças da Câmara dos Deputados avalizou emenda que impede a emissão de visto de residência permanente para cidadãos brasileiros nos Estados Unidos. O projeto de lei será submetido ao plenário da Câmara em junho e, se vier a ser aprovado pelas duas casas do Congresso americano, comprometerá o atual esforço dos EUA de aprofundar sua relação com o Brasil.
Esse esforço de aproximação bilateral seria consolidado pela presença do vice-presidente dos EUA, Joe Biden, ao Rio de Janeiro e Brasília entre os dias 28 e 31 e pela visita da presidente Dilma Rousseff a Washington em 23 de outubro. Dilma será a primeira presidente do Brasil a realizar uma visita de Estado a Washington em 21 anos.
A emenda foi proposta pelo deputado democrata Tim Ryan, do Estado de Ohio, um conhecido defensor da extradição da brasileira Claudia Hoerig. Ela é acusada pela Justiça de Ohio pelo assassinado seu segundo marido, o major da Força Aérea americana Carl Hoerig, em 2007. Por duas vezes, nos últimos anos, Ryan apresentou duas vezes um projeto de lei ainda mais punitivo. Ambos os textos previam a suspensão da emissão de qualquer tipo de visto aos brasileiros enquanto Claudia não fosse extraditada aos EUA. Essas tentativas, porém, fracassaram.
O presidente do subcomitê de Segurança Interna da Câmara, o republicano John Carter, e o deputado democrata David Price apelaram pela retirada da emenda, que impedirá as agências de imigração americanas de gastar recursos financeiros no processamento de pedidos de residência permanente (imigração) apresentados por brasileiros. Sem recursos, as solicitações serão imediatamente negadas. Os pedidos de visto para turismo e trabalho temporário, entre outros, não serão afetados.
"A assassina do major Hoerig tem de voltar aos EUA para ser submetida a julgamento, e nós temos de enviar ao Brasil a mensagem de que sua conduta não será tolerada", defendeu Ryan. "Isso tem de ser doloroso para o governo brasileiro enquanto Claudia Hoerig não for extraditada."
O Itamaraty acompanha o caso desde o início e, neste momento, se mostra preocupado com a chance real de o projeto de lei ser aprovado pelo Congresso, por tratar de um dos raros temas de consenso entre republicanos e democratas - os gastos com segurança nacional. Uma vez aprovado ontem o texto, com a emenda restritiva à emissão de visto de residência a brasileiros, a Embaixada do Brasil em Washington pediu à Câmara a versão original para estudá-la.
A contrapartida exigida pelo deputado Ryan é impossível de ser oferecida pelo governo brasileiro. Entre as cláusulas pétreas da Constituição está a que proíbe a extradição de cidadãos brasileiros. Em 2009, quando o governo americano pediu a extradição de Claudia, o Itamaraty explicou essa situação e ofereceu, como alternativa, a abertura de um processo judicial no Brasil contra a acusada.
Os EUA aceitaram. Mas, no ano seguinte, voltaram atrás sob o argumento de que Claudia não era mais cidadã brasileira. Ela teria renunciado essa cidadania ao adotar a americana, em 1999. Segundo o Itamaraty, o Ministério da Justiça ainda não concluiu o processo de revogação da cidadania brasileira de Claudia. Ela, portanto, continuará a ser tratada como nacional, protegida de pedidos de extradição. A opção do processo dela no Brasil continua válida, com base no Código Penal, mas teria de ser iniciado a pedido dos EUA.
 
(Fonte : Estadão)

ABERTAS AS PRÉ-MATRÍCULAS PARA O PRONATEC COPA


 
Estão abertas as pré-matrículas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, na modalidade Pronatec Copa. Quem tem mais de 18 anos e mora em uma das 120 cidades contempladas pelo programa pode procurar a secretaria de turismo e escolher um entre os cinco cursos disponíveis: recepcionista em meios de hospedagem, camareiro em meios de hospedagem, garçom, auxiliar de cozinha e organizador de eventos.
“Diante do calendário de eventos, estamos preparando o Brasil, por meio da qualificação, para deixar como legado uma imagem positiva do país para aqueles que visitarão as cidades brasileiras”, disse o secretário nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Fábio Mota.
As vagas são limitadas e somente nos órgãos municipais de turismo o interessado poderá se informar sobre a disponibilidade de vagas, cursos e turnos. As pré-matrículas se encerram no dia 7 de junho.
As 120 cidades contempladas pelo Programa estão no endereço: http://pronateccopa.turismo.gov.br/cidades.html#al.
Após a pré-matricula, será emitida uma Carta de Encaminhamento, que deverá ser apresentada na Instituição de Ensino, juntamente com a documentação exigida:  carteira de identidade (cópia e original) ou carteira de motorista; Cadastro de Pessoa Física (cópia e original); declaração de escolaridade e comprovante de residência.
Os cursos serão realizados nas instituições de ensino SENAC, SENAI, SESI, SENAR, SEST, escolas públicas federais e estaduais (institutos federais e escolas estaduais de educação profissional) ou outras criadas pelos ofertantes como unidades remotas de ensino.
 
PRONATEC TURISMO
 
O Pronatec Turismo foi instituído para contribuir com a melhoria da qualidade da prestação de serviços aos turistas. O programa do Ministério do Ministério do Turismo (MTur) é dividido em três linhas de ação:
1 - PRONATEC COPA, que visa atender à necessidade por novos profissionais; 2 - PRONATEC COPA NA EMPRESA, que busca facilitar aos empresários o aperfeiçoamento de seus empregados e colaboradores - as aulas são ministradas preferencialmente dentro do estabelecimento de trabalho; 3 - PRONATEC COPA SOCIAL, que, em parceria com Serviço Social da Indústria (Sesi), oferece qualificação às pessoas em situação de vulnerabilidade social, facilitando sua inserção no mercado de trabalho.
Informações sobre o Programa podem ser obtidas no telefone 0800 606 8484.
 
(Fonte : MTur / Imagem divulgação)

PROGRAMA CAPACITA EMPRESAS DE EVENTOS


 
Tornar as empresas da área de eventos e sua cadeia produtiva mais preparada para aproveitar oportunidades do mercado, em particular, grandes acontecimentos esportivos programados para o Brasil nos próximos anos. Para concretizar esse projeto, a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc Brasil), em parceria com o Sebrae, realiza a fase regional de lançamento do programa de Qualificação em Gestão de Micro e Pequenas Empresas de Eventos. Com abrangência em 12 estados, o programa já foi lançado em Vitória e Fortaleza, respectivamente, nos dias 7 e 17 deste mês. O próximo evento será no dia 28, em Goiânia.
Nesses encontros, as empresas interessadas podem se inscrever no programa, direcionado aos organizadores e a toda a cadeia de fornecimento de negócios e eventos. A primeira fase é a do diagnóstico da gestão, que serve para orientar os temas dos cursos, oficinas, palestras e consultorias que serão aplicados. A ideia é que os empreendimentos se qualifiquem cada vez mais e fiquem aptos para receber o Selo de Qualidade Abeoc Brasil.
As inscrições estão abertas no site www.abeoc.org.br/qualidade. Após ingressarem no programa, os empreendedores irão preencher o diagnóstico para identificar os pontos fortes e oportunidades de melhoria de cada participante. Integra essa fase o mesmo diagnóstico aplicado no Prêmio MPE Brasil, além de questões específicas para empresas da área de eventos. Um consultor irá apoiar o preenchimento das respostas.
Para Andrea Faria, analista de Serviços do Sebrae, o programa realizado em parceria com a Abeoc promove a competitividade do turismo de negócios e eventos. “Essa iniciativa contribuirá para se criarem padrões mínimos de qualidade na prestação de serviços. O programa está alinhado à estratégia de aproveitarmos esse momento excepcional que o Brasil vive, como sede de grandes eventos”, destaca Andrea.
“Toda a etapa posterior de capacitação, com palestras, oficinas e consultoria, vai ser direcionada para atender às necessidades das empresas identificadas nesse diagnóstico”, explica o coordenador de capacitação do programa pela Abeoc Brasil, Luiz Carlos Barboza. Por esse motivo, ele ressalta a importância de se responder o questionário com a maior precisão possível.
 
Próximos lançamentos
 
28/5: Lançamento em Goiás do Programa de Qualidade Abeoc Brasil Local: Auditório do Sebrae/GO, Avenida T-3, 1000, Setor Bueno, Goiânia.
Horário: 8h30 
4/6: Lançamento no Rio Grande do Sul
Local: Salão Nobre do Hotel Plaza São Rafael, Av. Alberto Bins, 514, Centro Histórico, Porto Alegre.
Horário: 17h30min.
6/6: Lançamento no Rio de Janeiro
Local: Centro de Convenções SulAmérica, Rio de Janeiro.
Horário: 18h. 
10/6: Lançamento em Santa Catarina
Local: Oceania Convention Center.
Horário: 17h. 
28/6 – Lançamento em Belo Horizonte do Programa de Qualidade Abeoc Brasil
Local e horário ainda a serem definidos
 
(Fonte : ASN)

MINISTRO DA AVIAÇÃO CIVIL CRITICA ATUAÇÃO DO TCU


 
O ministro-chefe da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco, criticou a atuação do Tribunal de Contas da União (TCU), que tem barrado projetos em aeroportos sob a justificativa de gastos elevados. Segundo o ministro, toda uma geração foi criada com o objetivo de evitar gastos, já que o poder público não tinha dinheiro. Para ele, o cenário mudou, o poder público tem recursos, tem planos, programas e projetos, mas a capacidade de gastar esses recursos é muito baixa.
“Temos de entender que gastar não é pecado. Se quisermos fazer um grande projeto, temos de ter as melhores empresas de engenharia, os melhores projetistas. Só se faz isso gastando. Se nós queremos o que há de melhor no mundo, temos de pagar por isso”, disse Moreira Franco, durante seminário na Câmara dos Deputados que discutiu os desafios da aviação civil no Brasil.
 
INFRAERO
 
As intervenções em 23aeroportos, todas elas de responsabilidade da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), estão atrasadas, segundo Moreira Franco. O ministro, porém, garantiu que os problemas são de natureza técnica, e não de gestão.
Moreira Franco foi além e afirmou que, durante décadas, houve um vazio de engenheiros no Brasil e uma destruição das empresas de projetos por causa das condições econômicas do País. “Hoje, esses projetos são feitos por empresas que não têm experiência para fazer bons projetos com rapidez. Por isso, eles não são aceitos e têm de ser refeitos”, disse.
O ministro citou o exemplo do Aeroporto internacional do Galeão, no Rio, que em dois anos só conseguiu aplicar 5,23% do que tinha disponível para gastar porque projetos não foram aprovados.
O ministro afirmou ainda que aeroportos serão privatizados se o governo não tiver condições de garantir serviço adequado. Segundo ele, a mentalidade do País mudou. “Felizmente, o Brasil saiu do dilema da década de 1990, em que havia um debate ideológico que dizia que o caminho do céu se daria por aqueles que tivessem a coragem de praticar o Estado mínimo, e aqueles que eram contra eram acusados de jurássicos”, disse.
Em setembro será iniciado o processo de licitação dos aeroportos de Confins (MG) e Galeão (RJ) para concessão à iniciativa privada.
 
● DESEMBOLSO
“Se quisermos fazer um grande projeto, temos de ter as melhores empresas de engenharia, os melhores projetistas. Só se faz isso gastando.”
Moreira Franco
Ministro-Chefe da Secretaria da Aviação Civil
 
(Fonte : Jornal O Estado de São Paulo)

SP TURIS TERÁ VERBA DA EMBRATUR EM APOIO À EXPO 2020

Em busca da captação de grandes eventos para o País, a Embratur dá mais um passo no apoio governamental à candidatura de São Paulo como a sede da Exposição Universal 2020. “Somos parceiros nesta conquista em que o Brasil poderá se tornar sede de um encontro com essa magnitude. A Expo 2020 será o coroamento dos grandes eventos que estamos realizando no País, por isso a Embratur dará apoio na campanha de divulgação e de promoção da cidade”, explicou o presidente da Embratur, Flávio Dino.
O investimento total da Embratur é de R$ 1,5 milhão. A primeira parte, de R$ 600 mil, será remetida ao Ministério das Relações Exteriores ainda nesta semana, com a finalidade de realizar a promoção do Brasil na França (de junho a novembro de 2013). O restante, R$ 900 mil, se resume em ações promocionais a serem realizadas pelo Comitê de Candidatura da Cidade de São Paulo até novembro, e serão transferidos para a São Paulo Turismo, por meio de convênio. “É possível afirmar que durante os seis meses de evento, os ganhos para cidade serão inestimáveis, tanto em divisas como em infraestrutura local”, ressaltou Dino.
A eleição acontece em novembro, em Paris, quando o Bureau International des Expositions decidirá qual das cinco candidatas têm condições de receber o evento. Além de São Paulo, estão na disputa Dubai (Emirados Árabes Unidos), Esmirna (Turquia), Ayuthaya (Tailândia) e Iekaterinburgo (Rússia).
 
(Fonte : Panrotas)

VIAJA MAIS MELHOR IDADE: CADASTRAMENTO JÁ COMEÇOU


 
Começou nesta semana o cadastramento das ofertas dos prestadores de serviços turísticos que participarão do programa Viaja Mais Melhor Idade. Em sua segunda edição, o programa é uma iniciativa do Ministério do Turismo para incentivar as viagens desse público, estimado atualmente em mais de 20 milhões de pessoas. A ideia é oferecer condições diferenciadas de crédito a idosos, aposentados e pensionistas, principalmente nos períodos de baixa estação.
Para aderir, as empresas deverão constar do Cadastur (sistema de cadastro de prestadores de serviços turísticos do MTur); aceitar o termo de adesão ao programa, inclusive o índice de cumprimento, e se responsabilizar pela manutenção da oferta; cadastrar pelo menos uma oferta exclusiva direcionada ao público-alvo; informar periodicamente os resultados sobre suas vendas; e exibir o logotipo do programa em todo material próprio que a ele faça referência, como website e materiais gráficos, segundo o manual de uso.
O cadastro é realizado por meio do site www.viajamais.com.br , sem prazo para terminar. O programa deverá ser lançado nas próximas semanas.

ADESÕES


Os critérios para adesão ao Viaja Mais Melhor Idade foram apresentados às principais empresas e associações do trade turístico pelo MTur em reunião semana passada que contou com aproximadamente 20 participantes. Na ocasião, Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil firmaram compromisso de melhorar as condições de financiamento para os idosos. O diretor de Marketing da CVC, Fábio Godinho, também afirmou que a empresa pretende aderir ao programa com aproximadamente 30 ofertas de programas.
Coordenada pelo secretário Nacional de Políticas de Turismo, Vinícius Lummertz, a reunião também teve como objetivo sensibilizar as empresas para o programa. A retomada do Viaja Mais Melhor Idade trouxe empolgação aos representantes de associações de hotéis, resorts e cruzeiros marítimos presentes à reunião. “Há um déficit na balança de pagamentos e nós somos parte da solução. Os bancos compreenderam isso”, afirmou.
 
(Fonte : MTur)

DECOLAR.COM PROMOVE ÁREA DE HOTÉIS NO SUL E NORDESTE


 
A Decolar.com realiza em Curitiba, um evento para promover o Departamento de Hotéis. A gerente regional da empresa, Deborah Popitz, ao lado de Willian Oliveira, responsável pelo Atendimento da região, são os responsáveis por conduzir o evento, que discutirá as principais práticas da rede hoteleira no Brasil.
A equipe de Hotéis da Decolar.com abordará ainda questões essenciais para o trade e como otimizar as vendas pela internet, agregando valor ao turismo local. Os executivos apresentarão ainda a nova plataforma on-line da empresa, suas ferramentas e dicas para expandir o negócio na região.
O mesmo evento aconteceu em Fortaleza recentemente.
 
(Fonte : Panrotas)

ALPEN PARK RECEBE CERTIFICADO DE EXCELÊNCIA PELO TRIPADVISOR


 
O Alpen Park, em Canela (RS), recebeu nesta semana o Certificado de Excelência 2013 pelo portal turístico TripAdvisor. O certificado é entregue às empresas que são destaque na execução de seus negócios na área do turismo. Apenas 10% das empresas no mundo, que são registradas pelo site, recebem essa colocação, realizada com base nas taxas de satisfação e crítica feitas por seus clientes.
O site TripAdvisor foi fundado em 2000, sendo considerado uma das maiores comunidades virtuais sobre o tema, com atuação em mais de 30 países, recebendo 200 milhões de visitantes por mês e mais de 100 milhões de críticas e avaliações feitas por usuários de hotéis, restaurantes, atrações e outros negócios relativos a área do turismo.
Completando 10 anos em 2013, o Alpen Park é considerado hoje o melhor complexo de entretenimento, diversão e aventura da Serra Gaúcha. Localizado a cinco minutos do centro de Canela (RS), o parque é uma excelente opção de passeio para família e amigos, contando com atrações voltadas para públicos de todas as idades. Para os amantes da aventura, o empreendimento oferece uma variedade de atividades que fazem a adrenalina falar mais alto, como passeios de trenó e quadriciclo, rapel, muro de escalada, bungee trampolim, arvorismo, tirolesas, além da emocionante Alpen Blizzard, a maior montanha russa de aço do Rio Grande do Sul e o Super Salto, brinquedo composto por cordas elásticas, onde a pessoa fica, firmemente, amarrada e é lançada para o alto.  Quem é ligado às novas tecnologias, vai se divertir com o Cinema 4D e seus efeitos especiais e sensoriais e ainda pode curtir os emocionantes Mini Rider 2 e Alpen Interactive Supergame 5D, no qual os participantes interagem com jogos de última geração. Para os pequenos, o parque traz o Snappy Draw e o Alpen Kids, que fazem do Alpen Park o lugar certo de diversão e entretenimento para crianças e adultos.
 
(Fonte : DUE Comunicação)

COMO VENCER O MEDO DE AVIÃO ?



Suor. Calafrios. Nervosismo. Pânico. Quem tem medo de voar sabe que passa por tudo isso quando tem de enfrentar uma viagem de avião.
Um livro recém-lançado nos Estados Unidos tenta ajudar essas pessoas, reconhecidas como fóbicas. Sim, o medo de voar é uma doença.
Autora da obra "Safe Journey" (viagem segura), a americana Julia Cameron começou a ter medo há dois anos, quando se mudou de Nova York para Santa Fé. "Passei a ter que viajar com frequência e o que era normal [voar] virou algo apavorante", diz ela.
Com a obra - que não tem previsão de lançamento no Brasil, mas pode ser comprada na versão e-book -, Julia achou que pudesse vencer o medo. Um de seus conselhos? "Pegue uma caneta e escreva uma oração em um papel."
Mas um dos primeiros passos para enfrentar o medo, segundo psicólogos que trabalham com fóbicos, é entender que não é algo racional. Dados comprovam: o avião é mais seguro que o carro.
Em 2012, segundo a Infraero, 172.536.852 pessoas voaram no Brasil. E não houve nem um acidente com voo comercial de passageiros. Já quando se trata de carros, só na capital paulista, 1.231 pessoas morreram no mesmo período, de acordo com a CET.
"O passageiro deve focar na realidade", diz a psicóloga Rosana Dorio Bohrer, fundadora do Instituto Condor, que oferece tratamento para fóbicos.
Outra dica que ela dá é se distrair - leve livros, filmes ou músicas.
"Quando houver uma turbulência, pense: É só uma turbulência'", diz Marcelo Victorino, comandante da Gol.
 
(Fonte : Jornal Folha de São Paulo)

segunda-feira, 20 de maio de 2013

ROTA DAS EMOÇÕES GANHARÁ PLANO TURÍSTICO


 
A Rota das Emoções, roteiro turístico que envolve 14 municípios dos Estados do Ceará, Piauí e Maranhão, ganhará um plano de estruturação turística em 2014. O Ministério do Turismo, em convênio com o BID (Banco Interamericano de desenvolvimento), dará R$ 1 milhão para a formulação do projeto, que inclui um plano de marketing e de infraestrutura.
Segundo Ítalo Mendes, diretor de Estruturação, Articulação e Ordenamentos Turísticos do MTur, 23 empresas do Brasil, da Espanha e de Portugal já apresentaram propostas ao ministério. O vencedor será conhecido em julho, e o plano deverá ser finalizado em um ano. Outro termo de referência no mesmo valor foi elaborado para a Serra Gaúcha.
Segundo o ministro do Turismo, Gastão Vieira, o convênio vai ao encontro das diretrizes do Programa de Regionalização do Turismo, cuja nova fase foi lançada nesta semana. O objetivo do programa é fazer um grande diagnóstico do turismo em cada município do país, para produzir em seguida uma categorização – com o estado de desenvolvimento da atividade em cada um – que permita direcionar as políticas públicas de acordo com as necessidades dos destinos.
“Este foi um dos roteiros integrados do país, que envolve vários Estados e tem um enorme potencial de atração de turistas do Brasil e do exterior”, afirmou o ministro. “Esperamos que esse planejamento seja uma ferramenta não apenas para o ministério, mas para governadores e prefeitos da região.”
Uma pesquisa do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa) mostrou que, no ano passado, o número de empresas que operam a rota cresceu 73%.
 
(Fonte : Ascom MTur)