terça-feira, 19 de junho de 2018

Visto para Dubai passa a ser gratuito e feito na chegada



Já está valendo a nova regra para brasileiros entrarem em Dubai. Turistas agora podem pedir visto gratuitamente assim que chegam ao destino e permanecer por um período máximo de 90 dias a cada ano.

Essa mudança significativa na exigência de visto está alinhada com os esforços do Departamento de Turismo e Marketing de Dubai (Dubai Tourism) para melhorar continuamente a acessibilidade ao Emirado e tornar a visita à cidade mais fácil do que nunca.

Os viajantes brasileiros não só economizarão no custo de um visto, mas também evitarão um processo de solicitação de vários dias, permitindo o planejamento de viagem de última hora para a quarta cidade mais visitada do mundo, de acordo com o Índice Global de Cidades de Destino da MasterCard.

Issam Kazim, CEO da Dubai Corporation para Tourism and Commerce Marketing, comentou: “Vimos um aumento de 47% em visitantes brasileiros em 2017; portanto, oferecer vistos gratuitos na chegada é um passo complementar dada a popularidade de Dubai como um dos principais destinos de viagem”. E completou: “Continuaremos a investir em atividades de marketing em todos os canais, já que Dubai tem muito a oferecer aos brasileiros: praias, compras, aventura, entretenimento, cultura, luxo, gastronomia e atividades para toda a família. Estamos confiantes de que a nova política de vistos continuará encorajando mais viajantes brasileiros a visitar Dubai.”

As ofertas de Dubai continuam a crescer em escala e diversidade, com melhorias recentes na experiência dos visitantes para famílias e casais com o lançamento do La Perle by Dragone, criado pela franquia Cirque du Soleil; inauguração do VR Park, o maior parque de realidade virtual do mundo; o Dubai Frame, com vistas incomparáveis ​​do horizonte de Dubai e do Dubai Safari, com uma experiência de vida selvagem em estilo africano.

As atrações adicionais de Dubai incluem: IMG Worlds of Adventure, o maior parque temático coberto do mundo; Dubai Parks and Resorts, o maior resort integrado de parques temáticos da região; Dubai Opera, hospedando performances e produções de alguns dos maiores nomes e empresas do mundo das artes; e, recentemente, inaugurações de hotéis de luxo Gevora Hotel, o mais alto do mundo, e Bvlgari Resort Dubai.



(Fonte : Aviação Brasil)

Aeroporto de Orlando escolhe a SITA para a implementação de saída 100% biométrica



A SITA anunciou hoje que foi escolhida pela Greater Orlando Aviation Authority (GOAA) como parceira tecnológica para a saída biométrica no Aeroporto Internacional de Orlando. O Aeroporto Internacional de Orlando é o primeiro aeroporto dos EUA a implantar totalmente o Programa de Entrada e Saída Biométrica da Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP). Nos próximos meses, a SITA integrará o Smart Path™, sua sofisticada tecnologia biométrica, nos 30 portões de embarque internacionais do aeroporto.

No início deste ano, a SITA trabalhou com a GOAA, a British Airways e a CBP para incorporar a verificação de partida biométrica dos EUA para os clientes da British Airways. O sucesso do teste motivou a implementação da tecnologia em todo o aeroporto. O sistema torna o embarque de passageiros mais rápido e fácil, ao mesmo tempo em que incorpora as novas verificações de segurança de saída biométrica. A British Airways está embarcando voos de quase 240 clientes em cerca de 15 minutos. Com o Smart Path, os passageiros só precisam olhar para a câmera, sem ter que apresentar cartões de embarque ou passaportes.

John Newsome, diretor de informação da GOAA, disse: “Nossa decisão de implementar verificações de saída biométrica em todo o aeroporto segue um teste ao vivo extremamente bem-sucedido. O inovador processo de embarque que testamos é muito popular entre os passageiros. Eles simplesmente olham para a câmera e em segundos o portão se abre e eles podem embarcar no voo. É fácil, rápido e, o mais importante, seguro. A solução funciona em portões de embarque comuns e pode ser facilmente utilizada pelas muitas companhias aéreas internacionais que servimos na MCO. ”

Diana Einterz, presidente da SITA, Américas, disse: “A implementação do SITA Smart Path da GOAA para as verificações de saída biométrica do CBP dos EUA proporcionará um processo de viagem mais simples para os seis milhões de passageiros internacionais anuais do aeroporto. A SITA é líder mundial em biometria e estamos comprometidos em fornecer viagens seguras e ininterruptas para passageiros de companhias aéreas globalmente. É ótimo ser o parceiro de tecnologia da GOAA, pois ele se torna o primeiro aeroporto a implementar a biometria totalmente para voos internacionais dos EUA. ”

Os passageiros podem esperar um aproveitamento de um embarque 100% biométrico para voos internacionais no Aeroporto Internacional de Orlando em outubro. Nos próximos quatro meses, a SITA integrará o Smart Path em 64 pistas de embarque, em 30 portões de embarque pelo aeroporto. Como parte do acordo, a SITA fornecerá ao aeroporto soluções de tecnologia, serviços profissionais, hardware e manutenção. Isso será apoiado pelo gerenciamento de serviços globais da SITA, que suporta as necessidades operacionais dos principais aeroportos e companhias aéreas do mundo, por meio de disponibilidade 24 horas por dia, 7 dias por semana, e monitoramento proativo.


(Fonte : Aviação & Mercado – 15/06/18)

terça-feira, 17 de abril de 2018

Programa de fidelidade está na mira de hackers


Os criminosos estão de olho nas empresas que fazem uso de programas de fidelidade. Os pontos, moedas virtuais que podem ser trocadas por passagens aéreas, hospedagens em hotéis e aquisições de produtos como eletroeletrônicos, entraram definitivamente na mira dos hackers, segundo relatório Previsões de Segurança Cibernética 2018, elaborado pela
consultoria e corretora Aon.

Geralmente estruturados em esquemas que incluem até agências de viagem de fundo de quintal, o objetivo final dos invasores é ganhar dinheiro a partir do roubo dos pontos dos usuários e respectiva venda deles ou das recompensas.

"No final do dia, o hacker quer monetizar sua ação. Ele vai tentar vender para quem tem interesse", diz Maurício Bandeira, gerente de linhas financeiras da Aon.

O cibercrime é como qualquer outro negócio. Bem estruturado, organizado e em busca de lucratividade. "Muitas vezes esses grupos são altamente qualificados e com estruturas muito bem definidas. Eles trabalham em grupos em diversas partes do mundo. Estima-se que, no cibercrime, a cada US$ 1 investido, obtém-se lucro de 1500%", diz Rafael Narezzi, especialista em cibersegurança da consultoria 4CyberSec e organizador do Cyber Security
Summit Brasil.

Os invasores também fazem uso das redes sociais. "Hoje, facilmente, você acha novos sites dentro do Facebook oferecendo passagens milagrosas. Mas, esta é só mais uma maneira de converter pontos em dinheiro. Com o número de vazamento de dados acontecendo diariamente, é barato e fácil duplicar e clonar pessoas e criar perfis falsos na internet. Algo que existe há tempos, usando o sistema de pontos como um sistema de camuflagem ou
ofuscação, para extrair o dinheiro."

Para se blindar dos hackers, Túlio Oliveira, diretor-executivo de tecnologia e operação da Smiles, diz que nos últimos dois anos a empresa quadruplicou o nível de segurança. Esse processo foi conduzido com o auxílio de uma consultoria americana que ajudou a Smiles a encontrar vulnerabilidades. "O que era bom, ficou melhor. Nossa visão é continuar. Sentir-se
sempre seguro é uma ilusão."

Uma das estratégias preventivas da Smiles é realizar os chamados testes de intrusão, que simulam uma invasão ao sistema e permitem encontram brechas. "Concluímos um em dezembro e não encontramos riscos médios nem altos." 

Hoje, por conta de todas essas ações combinadas, a Smiles perde menos de 0,01% da receita por questões de ataques. "É um indicador muito bom, que foi reduzido pela metade em dois anos." 

Já na AccorHotels, Erwan Le Goff, vice-presidente de Tecnologia da Informação para a América do Sul, está atento ao aumento das ameaças que rondam o mercado. "Nada aconteceu por aqui, mas estamos cientes dos riscos e agindo." 

Dentre essas ações, monitoramento das atividades dos sistemas dentro dos hotéis, fortalecimento da política de segurança da informação, mapeamento do ambiente e conscientização dos 15 mil colaboradores das 329 unidades de hotéis na América do Sul. 

Le Goff garante que a AccorHotels tem feito um investimento enorme para preservar essas informações. Isso inclui desde a realização de auditorias até a definição de diferentes perfis de acessos ao sistema, de acordo com cada nível de funcionário. 



(Fonte: Valor – Imagem divulgação)

Passagem aérea mais barata na 2ªf


O preço de passagens aéreas pode variar em cerca de 25% de acordo com o dia da semana escolhido para viajar. De acordo com o levantamento da agência de viagem virtual ViajaNet, a segunda-feira tem o bilhete mais barato em trechos nacionais, enquanto que o domingo possui o tiquete mais caro.

Para viagens internacionais, o voo mais barato sai às terças-feiras. no ano, o preço das passagens aéreas caiu 19,28%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na última terça-feira, 10.

Viajar na segundafeira pode ser 15% mais barato em média em relação ao resto da semana ainda. Apesar de ser o dia mais barato, não é o preferido. O dia mais escolhido é a quinta-feira, com 16% do total de compras. O pior dia para viajar, tanto pela preferência quanto pelo preço, é o domingo, com 11% do total de compras e bilhetes 25% mais caros em relação à segunda, por exemplo.

Em relação aos voos internacionais com saída do Brasil, o valor médio do embarque às terças-feiras é cerca de 10% menor em relação aos preços do sábado, apontado como o mais caro da semana. Nos demais dias, quase não há variação na tarifa. Para embarques internacionais, o dia preferido dos brasileiros é sábado, com 21% das viagens.

Já a menor procura para viagens ao exterior também ficou com o domingo, com 9%.

(Fonte : J. Estado de SP - Imagem divulgação)

Novo aeroporto de Vitória atrai investimentos e negócios


A pista e o terminal antigos serão usados por empresas e a nova estrutura já movimenta a economia da região.  O antigo terminal de passageiros seguirá em funcionamento para atender as aviações geral (off-shore, aviação executiva e taxi aéreo), militar e operações de carga aérea.

 


Depois de 33 meses de obras e investimento de R$ 559,4 milhões, o novo aeroporto de Vitória foi inaugurado em 30 de março de 2018. O terminal é quase cinco vezes maior e tem capacidade para 8,4 milhões de passageiros por ano. O empreendimento promete movimentar a economia local e atrair investimentos na área do sítio aeroportuário administrado pela Infraero.

Em um encontro com empresários capixabas, o superintendente da Infraero no Espírito Santo, Afrânio Souza Mar, falou sobre o aproveitamento do espaço para negócios.

Segundo ele, nesse grande complexo também são desenvolvidas áreas de negócios externos. Na esquina da Avenida Fernando Ferrari com a Avenida Adalberto Simão Nader, será instalada a Leroy Merlin, empresa francesa que vai aproveitar uma área de 23 mil metros quadrados. Este é um exemplo de exploração do potencial de negócios do sítio aeroportuário.

“Há espaço para desenvolver os negócios mais diversos possíveis, considerando-se que temos uma localização privilegiadíssima”, avalia. Nesse sentido, a Infraero loteou uma área de 80 mil metros quadrados, localizada no encontro da Simão Nader com a Avenida Dante Michelini. Por meio de uma prospecção com o mercado, foram sugeridos um supermercado, um hospital e um grande restaurante para o local.

Afrânio Mar afirmou que o momento agora é retomar a prospecção com o mercado para fazer a licitação, o que não aconteceu antes por causa das obras. “Os espaços que temos ainda dentro da nossa prospecção são corporativos e há o anseio da Infraero para desenvolver esses locais”. Empresas de locação também devem sair das margens da Fernando Ferrari e se moverem para as proximidades da entrada do novo terminal.

O novo terminal e a nova pista não desativaram o antigo aeroporto. “Já passamos a ser demandados pelas atividades operacionais. O aeroporto tinha várias limitações de infraestrutura e de voo. A aviação geral estava represada no estado todo, seja no aeroclube, seja nas cidades menores. Agora, a disposição do pátio anterior livre”. A ideia é abrir o espaço a empresas que querem trazer sua aviação para o aeroporto.

O antigo terminal de passageiros seguirá em funcionamento para atender as aviações geral (off-shore, aviação executiva e taxi aéreo), militar e operações de carga aérea.

O encontro entre os empresários é realizado para debater o cenário de oportunidades para os próximos meses no Brasil. Foi realizado no auditório do Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Espírito Santo (Sincades), na última quinta-feira (12).

“Até o ano passado, operamos com 3,1 milhões de passageiros por ano, mas com capacidade de 1,5 milhão. Vamos sai desse patamar para 8,4 milhões. Se formos considerar a mesma projeção feita pela Organização da Aviação Civil Internacional, a nova capacidade pula para quase 17 milhões. Então, temos um terminal de passageiros para até 15 ou 20 anos”, projetou o superintendente da Infraero.

 

Infraestrutura



“O aeroporto de Vitória é talvez o principal empreendimento da infraestrutura aeroportuária dos últimos quatro anos”. Afrânio Mar citou os aeroportos que receberam o mesmo aporte na época para atender a demanda gerada pela Copa do Mundo de 2014, mas ficaram para trás. Esses aeroportos, por avaliação do governo, foram entregues à iniciativa privada. Os últimos foram os de Salvador, Florianópolis e Fortaleza.

“Agora também um estudo incluiu o aeroporto de Vitória no processo de desestatização. Isso certamente gerará um impacto significativo no futuro para o desenvolvimento do aeroporto”, disse.

Ele avalia que a infraestrutura representa um grande benefício para a Grande Vitória porque é um dos poucos aeroportos com duas pistas. Ele comparou o novo aeroporto com o de Recife, que só tem uma pista e já registrou incidentes que paralisaram as atividades de pouso e decolagem por horas.

“Vitória passa a ter agora uma nova pista com uma proa totalmente disponível para aproximação, vindo pela baía. Um conjunto de pistas que vai reduzir sensivelmente o tráfego aéreo na região.”

 

O aeroporto



A Infraero construiu o novo aeroporto de Vitória com 29,5 mil m², 71 pontos comerciais, 12 banheiros públicos, oito elevadores (dois panorâmicos), três escadas rolantes, 31 balcões de check-in e cinco esteiras de restituição de bagagem. Todas as instalações seguem as normas de acessibilidade.

Na área de operações de aeronaves, a Infraero passa a oferecer agora um novo sistema de pistas e pátios. A nova pista de pouso e decolagem tem 2.058m x 45m, ligada ao novo pátio de aeronaves de 67,1 mil m² por dez pistas de taxiamento. São capazes de atender aeronaves de código 4D, como o Boeing 767-200.

No aeroporto, os usuários de veículos terão um estacionamento com 1,7 mil vagas para carros, além de 10 vagas para ônibus de turismo e um bicicletário.

O novo aeroporto de Vitória com 33 lojas em funcionamento, sendo 14 do segmento de alimentação, dez de varejo e nove de serviços, como locadoras de veículos.

As demais lojas estão com processos de licitação em fase final e em até 60 dias elas deverão estar em funcionamento, oferecendo o máximo de opções no novo mix comercial aos viajantes que embarcam ou desembarcam no novo aeroporto.

A estimativa da Infraero é que o novo Aeroporto de Vitória gere em torno de 300 empregos apenas nos estabelecimentos comerciais. O antigo terminal, por sua vez, empregava cem pessoas em seu mix comercial.


(Fonte : ES Brasil)

terça-feira, 10 de abril de 2018

Indicadores do mercado de transporte aéreo passam a ser disponibilizados de forma interativa on-line


Estudiosos, especialistas, aficionados em aviação civil, executivos do setor aéreo, jornalistas e público em geral poderão, a partir de hoje, dia 9 de abril, consultar e analisar informações do mercado de transporte aéreo de forma dinâmica e on-line, bastando, para isso, alguns poucos cliques pela internet. Trata-se da plataforma Consulta Interativa - Indicadores do Mercado de Transporte Aéreo, que passa a ser disponibilizada na seção “Dados e Estatísticas” da página “Mercado do Transporte Aéreo” no portal da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Já estão disponíveis na nova plataforma diversos indicadores, tais como Tarifa Aérea Média Doméstica, Yield Tarifa Aérea Médio Doméstico (valor pago por km pelo passageiro), proporção de assentos vendidos por faixas de preços, número de passageiros pagos transportados, número de decolagens, quantidade de toneladas de carga e correio transportada, taxa de aproveitamento dos assentos das aeronaves e participação de mercado por empresa.

Os indicadores podem ser detalhados por mês, companhia aérea, aeroporto, localidade, ligação e destino e origem, por exemplo, entre outros recortes, permitindo a visualização dinâmica da evolução do setor ao logo do tempo na série histórica iniciada em 2000 para os dados de demanda e oferta e em 2002 para os dados de tarifas aéreas domésticas. De forma intuitiva, a Consulta Interativa permite, ainda, aplicar diversas combinações de filtros aos dados.



Transparência



Desenvolvida pela Gerência de Acompanhamento de Mercado da Superintendência de Acompanhamento Serviços Aéreos (GEAC/SAS) da ANAC, a ferramenta Consulta Interativa - Indicadores do Mercado de Transporte Aéreo visa ampliar a transparência das informações sobre a aviação civil e disseminar o conhecimento sobre o setor. A plataforma foi concebida a partir do princípio de que qualquer usuário pode entender e analisar o mercado de transporte aéreo de forma detalhada, rápida e com grande flexibilidade.

Ao oferecer a nova ferramenta de consulta de informações do transporte aéreo, a ANAC busca cumprir um de seus objetivos estratégicos, o que prevê acompanhar e estimular o desenvolvimento de um transporte aéreo acessível, eficiente e competitivo no Brasil. A base de dados disponibilizada para consulta é sempre atualizada com as informações mais recentes de mercado, que são periodicamente registradas pelas companhias aéreas, em cumprimento à regulamentação vigente, e devidamente fiscalizadas pela Agência.

A plataforma Consulta Interativa vem se somar a uma série de publicações e iniciativas da Agência com vistas a aprimorar o conhecimento da sociedade e subsidiar estudos e decisões estratégicas que possam contribuir para o desenvolvimento do transporte aéreo no país. Entre as publicações mais conhecidas do setor editadas pela ANAC estão o “Anuário do Transporte Aéreo”, os relatórios “Tarifas Aéreas Domésticas” e “Demanda e Oferta do Transporte Aéreo - Empresas Brasileiras”, além das demonstrações contábeis de empresas aéreas brasileiras, da “Base de Dados Estatísticos do Transporte Aéreo” e dos microdados do registro das tarifas aéreas comercializadas.



Pelo celular



Seguindo o princípio da acessibilidade, a Consulta Interativa - Indicadores do Mercado de Transporte Aéreo também poderá ser facilmente utilizada por meio de telefones celulares e outros dispositivos móveis. A intenção da ANAC é assegurar flexibilidade e agilidade no acesso às informações. Assim, passa a ser possível, por exemplo, checar um indicador específico sobre voos já realizados ou tarifas aéreas comercializadas (a partir de passagens efetivamente vendidas) em determinada localidade bastando uma simples e rápida consulta pela web.

(Fonte : Anac)

Consolidação do mercado de aviação coloca mais pressão sobre Embraer


Diante da iminente consolidação da indústria de aviação no mundo, o mercado avalia que a possível parceria entre Embraer e Boeing se torna cada vez mais necessária.

“Este é um mercado naturalmente concentrado e está chegando o momento da consolidação. As empresas estão se antecipando a este movimento e a recente parceria da Bombardier com a Airbus é prova disso”, avalia o analista da Eleven Financial, Álvaro Frasson.

No ano passado, a possibilidade de compra da Embraer pela Boeing foi vetada pelo governo brasileiro. As duas empresas seguem negociando a criação de uma empresa conjunta de aviação comercial e o movimento é visto como uma resposta à parceria entre Bombardier e Airbus, firmada em 2017. “As empresas estão se antecipando ao cenário iminente de maior disputa de preços. Vai ganhar quem tem volume e for mais eficiente”, aponta Frasson.

O presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, conversou com jornalistas em evento na sede da empresa em São José dos Campos (SP) nesta quarta-feira (04). O executivo não se pronunciou sobre novidades nas negociações. “As conversas continuam, é uma operação complexa. Buscamos um acordo que atenda todas as partes.” Ele afirmou que a inclusão da divisão de defesa e segurança no negócio não tem dificultado as tratativas com o governo. “Esse não é um impedimento. Até porque já temos um acordo de comercialização do KC-390”, respondeu, se referindo ao avião de transporte militar da fabricante brasileira.

Frasson questiona se a Embraer seria capaz de manter a competitividade diante desse cenário de consolidação, caso o negócio não se concretize. “A Boeing tem mais capilaridade e pontos de atendimento, o que a torna mais eficiente. Apesar da aviação executiva ter melhores margens e ser a expertise da fabricante brasileira, essa demanda está estável. A Embraer precisa se renovar.” Durante o evento, Silva foi perguntado sobre uma possibilidade da chinesa Comac fazer uma proposta pela Embraer. “O mercado é dinâmico, temos obrigação de estar atentos a todas as oportunidades.”

O avanço da China no mercado de aviação é visto como um dos motivos para a busca por parcerias entre as grandes empresas do setor.

“Faz sentido que a Embraer tenha sido procurada por uma chinesa, já que a aviação executiva tem crescido muito na Ásia. Seria interessante entrar neste mercado na China”, analisa Frasson.

Porém, o analista ressalta que a China pretende sobretaxar produtos norte-americanos. “Uma parceria com a Boeing poderia dificultar a situação da brasileira.”

O presidente e CEO da Embraer Comercial, John Slattery, não quis comentar sobre o conflito entre as duas nações, mas defendeu que a empresa brasileira tem portas abertas em ambos os países.

“A China é um mercado enorme para a Embraer. Não há preocupações, temos relações boas com ambos os países. Somos uma empresa global e não queremos ver guerra comercial nenhuma”, declarou em coletiva para imprensa.



Entrega de jatos



A Embraer realizou nesta quarta (04) a apresentação oficial da primeira aeronave E190-E2, entregue à companhia área norueguesa Wideroe.

O acordo garante a compra de três jatos e dá opção para mais 12. O valor da transação pode alcançar R$ 873 milhões.

“Essa entrega representa uma nova era na aviação comercial da Embraer. Os jatos vão abrir novos mercados”, declarou Silva.

John Slattery afirmou que já existe interesse de outras companhias pela aeronave e que há otimismo de que a operação comercial vai crescer.

“Já tivemos visitas de empresas à fábrica e conversas concretas de negócio.”

Silva afirmou ainda que se houver necessidade, a empresa tem condições de expandir sua produção. “Já temos essa capacidade aqui na planta.”

(Fonte : DCI)