quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Número de empresas formalizadas no Ministério do Turismo cresce 35% este ano




De janeiro a outubro deste ano, o Ministério do Turismo registrou 10.316 novos cadastros no sistema que formaliza as pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor – o Cadastur. Em janeiro, 829 cadastros foram realizados e em outubro, esse número chegou a 1.123, um crescimento de 35%. No mesmo período no ano passado, foram cadastrados 8.888 novos empreendimentos e profissionais.

Esse crescimento é resultado de uma série de medidas que estão sendo tomadas pelo Ministério do Turismo com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços prestados aos turistas. “Nossa intenção é acabar com a informalidade do setor e, com isso, qualificar o atendimento e a experiência dos visitantes”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

O ministro anunciou em abril que a fiscalização sobre os serviços iria aumentar. A formalização do setor é uma das metas do Plano Brasil + Turismo, um pacote de medidas para impulsionar o turismo no país. Em junho, o MTur abriu um edital para seleção de novos fiscais e, em setembro, os servidores começaram a atuar no reforço a fiscalização.

Os anúncios impactaram diretamente o cadastramento dos prestadores. Prova disso é que o número de novos cadastros começou a subir em maio, com pico de novos cadastros em agosto. Para a coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos, Tamara Galvão, o crescimento é resultado de um esforço que vem sendo realizado pelo departamento em parceria com as secretarias estaduais e municipais de turismo e que ainda trará bons frutos para o turismo. “Estamos na direção certa. Reforçamos nossa equipe, ampliamos a comunicação com a ponta e vamos criar mecanismos para evitar a pirataria em nosso setor”, afirmou.


NOVO CADASTUR – O próximo passo da Coordenação-Geral de Cadastramento e Fiscalização é a modernização do sistema de cadastro de prestadores, o Cadastur. A expectativa é que os processos sejam feitos de forma digital, para facilitar e incentivar novos cadastros. Os testes no novo sistema já estão em andamento e a expectativa é lançar no primeiro semestre de 2018.



(Fonte : MTur / Imagem divulgação)

Congresso aprova crédito de R$ 7 bi para ministérios




O Congresso Nacional aprovou dois projetos de lei (PLN) para mudar regras da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017 e abrir crédito suplementar. Ambos serão enviados à sanção presidencial.

O Projeto de Lei (PLN) 33/17 concede cerca de R$ 7 bilhões a vários ministérios com o cancelamento de recursos e o aproveitamento de excesso de arrecadação de recursos próprios (taxas e multas) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e de superavit financeiro relativo a loterias.

A oposição se posicionou contra a análise desse projeto, por considerar que ele atende a interesses políticos, mas desistiu da votação nominal da matéria. Isso ocorreu após o governo liberar sua base para votar a favor da derrubada do veto sobre encontro de contas entre municípios e a União relativos a pagamentos em duplicidade a regimes próprios de Previdência e ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Uma das críticas da oposição foi de que o projeto libera mais recursos para propaganda do governo para o programa Brasil Eficiente e a favor da reforma da Previdência Social (R$ 99,3 milhões).

Entre os beneficiados com a suplementação, o Ministério da Justiça e Cidadania terá R$ 385,6 milhões para a construção de presídios. O Ministério da Saúde contará com R$ 3 bilhões para procedimentos de média a alta complexidade no Sistema Único de Saúde (SUS) e R$ 753 milhões para apoio à manutenção de unidades de saúde. O saneamento básico ficará com R$ 191,3 milhões.

No Ministério do Esporte, a construção e a reforma da infraestrutura esportiva (quadras poliesportivas e campos de futebol, por exemplo) contarão com R$ 230 milhões.

Para o Ministério da Integração Nacional, R$ 110,3 milhões destinam-se à defesa civil para ações de socorro e assistência a vítimas e obras preventivas de desastres.

No Ministério do Turismo, R$ 205 milhões serão usados para o desenvolvimento e a promoção do turismo.



Cancelamentos
Entre os cancelamentos de programações, destacam-se, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a defesa agropecuária (R$ 47 milhões), o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (R$ 29,5 milhões), a produção e divulgação de informações meteorológicas e climatológicas (R$ 13,3 milhões) e o apoio à agricultura orgânica (R$ 2,9 milhões).

Do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação foram cancelados R$ 509,7 milhões, destacando-se o fomento à pesquisa para novas tecnologias e processos inovadores (R$ 11,9 milhões), a promoção de pesquisa de dispositivos eletrônicos (R4 16,9 milhões), a pesquisa e o desenvolvimento nas organizações sociais (R$ 142,6 milhões) e a política espacial (R$ 113 milhões).

O Ministério das Relações Exteriores não contará mais com R$ 186,4 milhões para programas de relações e negociações bilaterais.

No Ministério da Saúde, são cancelados recursos no total de R$ 160 milhões da promoção da assistência farmacêutica e insumos estratégicos na atenção básica em saúde e outros R$ 50 milhões da reestruturação dos serviços ambulatoriais e hospitalares.

A distribuição de medicamentos não contará mais com R$ 500 milhões, e a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS) perderá R$ 119,7 milhões.

Do Ministério da Defesa, são cancelados R$ 322 milhões relativos à compra de aeronaves de caça (projeto FX-2) e outros R$ 157,8 milhões da operação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (Sisceab).

No Ministério das Cidades, são cancelados R$ 150 milhões de programas de mobilidade urbana e trânsito e R$ 243 milhões de gestão de riscos e de desastres.

Do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), destinado a moradias populares, foram cancelados recursos da ordem de R$ 1,46 bilhão; e do programa Cartão Reforma, R$ 638 milhões.



Emendas de bancada

Já o Projeto de Lei (PLN) 13/17 muda a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2017) para agilizar a execução obrigatória de emendas de bancada estadual, considerando como obrigatórias apenas aquelas aprovadas na Lei Orçamentária de 2017 e que integrem o anexo de prioridades e metas da LDO 2017.

A matéria foi aprovada na forma do substitutivo da Comissão Mista de Orçamento, de autoria do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que proíbe o contingenciamento de todos os recursos do Fundo Partidário ao retirar um limitador proporcional ao número de eleitores.



(Fonte : Ag. Câmara de Notícias / Imagem divulgação)

Relações Exteriores aprova novo Estatuto do Turista




A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional aprovou proposta que institui o Estatuto do Turista. A medida está prevista no Projeto de Lei 7151/17, do deputado Francisco Floriano (DEM-RJ), e recebeu parecer pela aprovação do relator, deputado Cabuçu Borges (PMDB-AP).

O objetivo do projeto é regular os direitos dos visitantes nacional e estrangeiro durante o período de turismo, com medidas de proteção da vida, da liberdade, da igualdade, da segurança e da propriedade, sem distinção de origem, raça, sexo, cor, idade, língua ou religião.

Floriano reclama da falta de uma lei específica que disponha sobre o turista no Brasil, ainda que o Estatuto do Estrangeiro (Lei 6.815/80) traga algumas regras referentes a concessão de vistos, por exemplo.

“O nosso país, com tantos encantos, não só para os estrangeiros mas também para os brasileiros, precisa reforçar a estrutura de apoio ao turista em vários aspectos, inclusive no que diz respeito a sua segurança jurídica”, concordou Cabuçu Borges.


SERVIÇOS

O texto assegura aos turistas a utilização de todos os meios de comunicação disponíveis e ainda o fácil acesso a serviços administrativos, judiciários e de saúde locais. Também prevê a simplificação dos procedimentos de passagem das fronteiras, como vistos ou formalidades sanitárias e aduaneiras.

O visitante terá o direito de locomover-se com liberdade no País, sem prejuízo de medidas tomadas a favor do interesse e da segurança nacional. Nenhum turista será objeto de negligência, imprudência, opressão ou extorsão por parte da polícia e todo atentado a seus direitos será punido na forma da lei.

Ainda segundo o projeto, o Ministério do Turismo implementará o Serviço de Proteção ao Turista, que ficará encarregado de registrar reclamações de violência contra o turista e de notificar o agressor, entre outros pontos.


VISTOS

A proposta também aborda a concessão de visto para turistas estrangeiros, a partir de regras já vigentes hoje, como a validade por até cinco anos e a permissão de múltiplas entradas no País por até 90 dias de cada vez.

Por outro lado, o texto deixa claro que o visto poderá ser obstado em caso de alguma inconveniência da presença do turista no território nacional. Também fica vedada a legalização da estada de clandestino e de irregular e a transformação em permanente dos vistos de trânsito, de turista, temporário e de cortesia.

O Poder Público poderá criar varas especializadas para conciliar e julgar os conflitos envolvendo o turista. Quem não cumprir as regras estará sujeito a punições como advertência por escrito, multa e interdição da atividade ou do empreendimento.



TRAMITAÇÃO


O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado ainda pelas comissões de Turismo; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.



(Fonte : Ag. Câmara de Notícias / Imagem divulgação)

Defesa do Consumidor aprova regulamentação de programa de fidelidade de empresas




A Comissão de Defesa do Consumidor aprovou proposta que regulamenta os programas de fidelidade de fornecedores de bens e serviços.

O texto aprovado foi o substitutivo do relator, deputado Rodrigo Martins (PSB-PI), ao Projeto de Lei 6484/13, do deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA). O projeto original regulamenta apenas os programas de milhagem das companhias aéreas.

Pelo texto aprovado, os pontos creditados ao consumidor participante de programa de fidelidade não poderão expirar em prazo inferior a dois anos, contados da data em que foram creditados. No caso de programas de milhagem de companhias aéreas, o prazo de expiração dos pontos terá de ser de no mínimo três anos. As empresas deverão enviar alertas aos consumidores com prazo mínimo de 60 dias antes da expiração dos pontos.

O substitutivo também veda a exigência de saldo mínimo para transferência, entre parceiros de determinado programa de fidelidade ou entre operadora de cartão de crédito e programa, de pontos que tenham sido creditados ao consumidor.

Segundo a proposta, se o programa for extinto, a empresa responsável deverá dar ao consumidor a possibilidade de transferir os pontos para outro programa de fidelidade no prazo de até seis meses, ou de ser ressarcido em dinheiro, pelo valor médio de mercado praticado no ano anterior à extinção do programa.



PENALIDADES

O fornecedor que infringir as medidas deverá restituir a pontuação do consumidor e creditar os pontos indevidamente subtraídos ou expirados, acrescidos de multa de 50% em pontos.

As infrações à lei, se aprovada, sujeitarão os infratores às penalidades previstas no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).



OUTRAS PROPOSTAS


O relator destaca que, em maio de 2017, foi instalada na Câmara comissão especial destinada a discutir o tema das moedas virtuais e programas de milhagem (PL 2303/15).

A Câmara também já aprovou, em 2015, outra proposta sobre o assunto - o PL 4015/12, que está sendo analisado pelo Senado. O texto é semelhante ao proposto por Rodrigo Martins e prevê prazo de validade de dois anos para os pontos de programas de fidelidade de forma geral e de três anos para programas de companhias aéreas. Além disso, também veda a exigência de pontuação mínima para a transferência dos pontos.

O deputado ressalta ainda que o Judiciário brasileiro tem se manifestado sobre aspectos dos programas de milhagem e sua relação com o direito do consumidor, mas ele acredita que o tema deve ter “tratamento legal conferido pelo Congresso”.



TRAMITAÇÃO


Rejeitado pela Comissão de Viação e Transportes, o projeto será analisado ainda pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e pelo Plenário.



(Fonte : Ag. Câmara de Notícias / Imagem divulgação)

Aproveite as promoções para garantir a próxima viagem




Separe um tempinho na agenda para ir às lojas ou visitar os sites de compras na próxima sexta-feira (24) quando acontece a famosa Black Friday (ou Sexta-feira Preta). O dia é um marco para o comércio brasileiro e promete oferecer aos consumidores até 80% de desconto em diversos produtos. Quem ganha é o turista, pois pacotes de viagens, passagens aéreas, diárias de hotel e passeios devem entrar na lista de promoções.

De acordo com a agência de viagens CVC, um pacote comprado na Black Friday para passar quatro dias em Maceió (AL), terá 55% de desconto o que representa uma redução de R$ 800 no preço. Se a opção for um cruzeiro saindo de Santos (SP) e visitando o Rio de Janeiro e Búzios (RJ), a economia é de R$ 700. Outros benefícios oferecidos são descontos de 50% na compra de uma segunda passagem aérea e diárias em resorts 30% mais baratas.

Promoções também na agência Flytour, que, além de descontos, promete parcelar em até 12x o preço das viagens compradas com cartão de crédito. Na agência MMTGapnet, os pacotes para passar o ano novo e mais seis ou sete noites em Salvador (BA) ou João Pessoa (PB), por exemplo, vão chegar a 25% de desconto.

Mas o viajante precisa ficar atento na hora da compra. Pesquisar e comparar os valores para ver se eles realmente estão com desconto é a primeira medida que deve ser adotada. Uma dica é verificar o histórico de preços nos sites para ver se eles diminuíram. Fique atento, também, aos detalhes de compra, como a data de viagem oferecida pela promoção, horários, local dos voos, e tipo de estadia. Outra dica importante é ver se a agência contratada está cadastrada no Cadastur, do Ministério do Turismo.

A Black Friday é o momento em que pacotes para diferentes destinos estarão em promoção. Tenha foco para escolher aquele que deseja conhecer e cuidado para não chocar as datas caso opte por mais de uma viagem. E atenção naqueles descontos muito abaixo do preço. Pesquise bem para saber se aquele produto está sendo realmente comercializado ou se pode ser alvo de um golpe na internet. 

Aliás, compras online devem ter atenção redobrada do consumidor. Escolha empresas seguras, com reputação conhecida, ou faça uma pesquisa para saber a opinião de outros compradores sobre a loja. Algumas empresas já começaram a ofertar produtos com descontos. A Agência de Notícias do Turismo resolveu dar uma mãozinha e separou alguns sites para quem deseja aproveitar a oportunidade.



Confira as promoções: 






Passagens Aéreas: GOL /Azul /Avianca /Latam /Passaredo






ORIGEM DA DATA – A data de promoções surgiu nos Estados Unidos e é realizada um dia após o Dia de Ação de Graças, na intenção de iniciar a época de compras natalinas. No Brasil, a primeira edição da Black Friday foi realizada em 2011 por um site de descontos, e hoje é tradicionalmente um dia importante para aumentar as vendas no comércio e oferecer superpromoções aos compradores.  



(Fonte : MTur / Imagem divulgação)

Rio gera mais de 10% do Turismo no Brasil




O setor de Viagens e Turismo contribuiu com US$ 6,5 bilhões no PIB no Rio de Janeiro em 2016, sendo 4,9% da economia da cidade e 11,5% da geração da indústria no Brasil. No entanto, menos de 6% do gasto na cidade vem do mercado internacional, revelou um novo relatório do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC).

América Latina City Travel & Tourism Impact é uma das séries de relatórios do WTTC que analisa a contribuição do mercado para as economias das cidades e a criação de emprego. O estudo abrange 65 cidades, seis na América Latina.
Os dados sugerem que hospedar a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016 tive um impacto direto sobre o PIB geral e principalmente no setor de Viagens e Turismo, inclusive no aumento de contratações na cidade. Em 2014, houve um pequeno aumento no volume de visitas e pernoites, porém este nível não foi mantido; e em 2016, como muitas vezes visto após mega-eventos, houve um deslocamento significativo para outros destinos, com viagens adiadas ou canceladas. As melhorias na demanda internacional também foram compensadas pela menor demanda doméstica devido à recessão.

BRASÍLIA
Menos de 4% da atividade do setor em Brasília foi gerada pela demanda internacional, já que a capital do Brasil depende da despesa doméstica. As viagens de negócios são importantes para a cidade, incluindo grandes volumes de viagens relacionadas com o governo. O crescimento diminuiu mais recentemente durante a recessão, mas isso segue um crescimento particularmente forte nos anos anteriores, pois a atividade econômica cresceu, ajudada pelo aumento dos gastos do governo.

O PIB turístico de Brasília é de apenas 3,2% da economia da cidade, representando US$ 2,2 bilhões. O setor gera cerca de 52 mil empregos na cidade, ou 3,9% do percentual de Brasília.
A contribuição total da indústria para o PIB do Brasil foi de R$ 530,5 milhões (US$ 152,2 bilhões), 8,5% do PIB em 2016. A contribuição total do setor para o emprego, incluindo empregos indiretamente apoiados pelo setor, foi de 7,8% do total empregativo (sete milhões de empregos). Nos próximos dez anos, a previsão é de nove milhões de empregos no Brasil através da atividade turística.



(Fonte : Panrotas / Imagem divulgação)

ISS: o novo vilão na regulamentação do Airbnb em FOR




Após ver a Câmara Municipal de Fortaleza aprovar a emenda que regulamenta a cobrança do ISS (Imposto Sobre Serviços) sobre serviços de hospedagem, o Airbnb repudiou a decisão alegando infração da lei federal do inquilinato. A empresa estadunidense se defende de uma possível tributação no caso, categorizando a emenda como "inconstitucional" e acreditando no veto do prefeito da cidade, Roberto Cláudio.

O Airbnb coloca a prática exercida por anfitriões e hóspedes, envolvendo sua plataforma digital, como aluguel de temporada, prática prevista e já regulamentada pela Lei Nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, sobre locação de imóveis urbanos. A emenda nº 11, inserida ao Projeto de Lei nº 44/2017, por sua vez, prevê a inclusão de serviços de hospedagem no Código Tributário do Município, o que também pode afetar as atividades da OTA Booking.com.

"A emenda, que pretende legislar sobre o aluguel de temporada e categorizar a atividade como sendo um serviço, sujeito a tributação pelo ISS, é inconstitucional. Isso ocorre porque a lista de serviços sobre os quais incide o ISS está fixada em Lei Complementar Federal e não pode ser alterada pelo município", explicou a empresa, por meio de um comunicado divulgado ao público.

O Airbnb ainda crê que o prefeito Roberto Cláudio vetará o trecho do Projeto de Lei, uma vez que a empresa assume estar em contato com a prefeitura para "avançar nos benefícios proporcionados pela plataforma à sociedade, Turismo e governo local".



HISTÓRICO COMPLICADO



A emenda que prevê a tributação do ISS sobre os serviços de hospedagem surge como mais uma barreira a ser enfrentada pelo Airbnb e a regularização em Fortaleza.

Em agosto, a própria Câmara Municipal aprovou uma indicação legislativa para um projeto regulador de hospedagem em residências e apartamentos, o que envolveria diretamente as atividades da plataforma digital, mas viu a mesma ser arquivada. O Airbnb citou a ação, que teve apoio do setor hoteleiro, como prejudicial ao ambiente de inovação e desenvolvimento econômico da cidade.

O vereador Michel Lins (PPS), que já havia sido responsável pelo projeto de taxação, é um dos autores da emenda nº 11 junto ao também vereador, e presidente da Câmara, Salmito Filho (PDT).



(Fonte : Panrotas / Imagem divulgação)

Fortaleza recebe edição de festival de gastronomia




Fortaleza recebe nos próximos dias 25 e 26 a última edição do ano do Festival Fartura, que reunirá no Iate Clube da cidade 70 atrações gastronômicas de 12 Estados.

O evento tem ao todo seis espaços, incluindo um dedicado a demonstrações ao vivo e outro onde o público pode preparar receitas com chefs.

Carlos Bertolazzi, do Zena Caffè (SP), Lia Quinderé, do Sucré Patisserie (CE), e Pablo Oazen, do Garagem Gastrobar (MG), são alguns dos nomes confirmados. O ingresso para um dia de festival custa R$ 20 (inteira) e pode ser adquirido no site farturabrasil.com.br.

Neste ano, o Fartura passou por Lisboa, São Paulo, Tiradentes e Belo Horizonte.



(Fonte : Folha Online / Imagem divulgação)

Parques temáticos elogiam esforço do Brasil para atrair investidores




No último dia de agenda com os representantes dos maiores parques temáticos do mundo, em Orlando (EUA), o presidente da Associação Internacional de Parques e Atrações Turísticas (IAAPA), Greg Hale, elogiou o esforço do Brasil em melhorar o ambiente de negócios para atrair investidores e tornar o país o principal polo desse tipo de empresas na América do Sul. De acordo com Hale, o Brasil tem buscado arduamente alternativas para o crecimento do setor com o auxílio da IAAPA.

“Conheço políticos e nunca vi no mundo um trabalho tão árduo como este da Argentina e do Brasil. Estão realmente concentrados em ajudar o setor a crescer e estamos felizes por poder ajudá-los da melhor forma que podemos”, destacou o presidente da maior associação de parques temáticos do mundo.

O ministro do Turismo, Marx Beltrão, ressaltou a importância dos parques para o crescimento do setor. “Temos trabalhado para atrair esse tipo de investimento, porque sei que eles são fundamentais para movimentar a economia. Na América do Norte, só Orlando gera 370 mil empregos diretos e indiretos e registra um impacto de mais de US$ 50 bilhões na economia local pelo turismo, impulsionado pelos parques”, comentou.

Atualmente, o Brasil dispõe de pouco mais de dez parques de médio e grande porte. Eles recebem cerca de 17 milhões de visitantes por ano, faturam R$ 2 bilhões e geram 30 mil empregos. Estão em tramitação alguns ajustes no sistema tributário do país para facilitar a importação dos equipamentos necessários a implantação e atualização dos parques temáticos locais.

De acordo com estudo realizado pelo Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat), a modernização dos marcos regulatórios em curso vai gerar um investimento de R$ 1,9 bilhão e 56 mil novos empregos nos próximos cinco anos. A projeção leva em consideração apenas a modernização e ampliação dos estabelecimentos já em funcionamento, sem contar com a possível atração de empreendimentos internacionais para o país.



(Fonte : MTur / Imagem divulgação)

Chapada das Mesas é repleta de cachoeiras, trilhas e poços de águas transparentes




Em um primeiro momento, as quase 12 horas de viagem —a depender do trânsito na estrada e do tempo de conexão entre os voos — de São Paulo até Carolina, cidade na divisa do Maranhão com o Tocantins, pode assustar. Mas duas boas recompensas fazem valer a pena se aventurar nesse trajeto.

A primeira é a vista deslumbrante do alto da Chapada das Mesas: formações geográficas de arenito, de cerca de 70 milhões de anos e que podem atingir por volta de 400 metros de altura. São dezenas nas imediações de Carolina.

A segunda é a água quentinha da região —consequência da temperatura elevada na maior parte do ano. Uma surpresa para quem se acostumou com cachoeiras como sinônimo de frio e dentes batendo.

E, para mergulhar logo, uma boa opção é o Encanto Azul, um poço de até sete metros de profundidade, com água cristalina e cercado de paredões de pedra.

Para chegar até ele, saindo de Carolina, é preciso encarar mais de 100 km da BR-230 e uma estrada de terra. Uma escadaria de 147 degraus e tábuas de madeira fecham o percurso.

Uma dica é chegar por volta das 10h, quando a luz do sol deixa a água azul turquesa, quase verde. A outra é usar o snorkel — a visibilidade total revela paisagens submersas incríveis. O Encanto Azul fica em um complexo turístico, com restaurante e chalés. Lá também é ponto de partida para o Poço Azul.

De novo é preciso passar por rampas e escadarias de madeira. A maior diferença para o Encanto é que os paredões rochosos estão mais afastados, lembrando um lago. A cachoeira de Santa Bárbara, de 75 metros, uma das maiores da região, fica ao lado.

Não são só descidas a poços que fazem a chapada, afinal estamos falando de platôs de cerca de 400 metros de altura.

Uma das subidas mais populares é no Refúgio Ambiental Torre da Serra da Lua, no povoado de Canabrava, no Tocantins.

Na trilha de 10 km, a mais comum, o terreno plano nos primeiros quilômetros pode deixar o aventureiro menos alerta. Mas a partir daí a dificuldade aumenta.

O caminho é íngreme, de areia e com pedras soltas. Mas poucas vezes é preciso usar galhos e cordas para se equilibrar.

Todo o cansaço fica para trás no alto do platô. Há sombras, venta e é plano. Não por acaso algumas "mesas" são usadas para criação de gado. E também refúgio da onça, animal mais temido da região, ainda que não haja registros de ataques a pessoas.

Lá em cima, o prêmio pelo esforço são mirantes que dão um panorama em 360 graus da chapada, com as curvas do rio Tocantins completando o cenário.

Aliás, a volta do passeio ocorre pelo próprio rio, em uma voadeira, uma embarcação fina e comprida, de onde é possível ver o sol se pôr em meio às águas.

E não se esqueça de visitar o Portal da Chapada, uma pedra com um buraco em forma de pirâmide bem no meio. Por essa "janela", dá para ver o Morro do Chapéu, cartão-postal de lá. O melhor é ir cedinho ou no fim da tarde, para pegar o local iluminado pelos raios solares.



DICA DE VERÃO

Basta passar por uma breve trilha na cachoeira de São Romão, no Parque Nacional da Chapada das Mesas, para ficar a centímetros da queda d'água, atrás da cascata. O local é ideal para aprender a andar de caiaque pela pouca profundidade nas margens



QUEM LEVA

Adventure Club

adventureclub.com.br; tel. 5573-4142.

A partir de R$ 2.535.

Inclui seis dias em apto. duplo, com passeios na chapada.

Sem aéreo



Terrae Viagens

terraev.com.br; tel. 5504-1901.

A partir de R$ 2.171.

Inclui, no Ano-Novo, seis dias em apto. duplo e traslados. Sem aéreo



Venturas Viagens

venturas.com.br; tel. 3879-9494.

A partir de R$ 2.100.

Inclui seis dias na pousada Candeeiros em apto. duplo, com passeios, guia e traslados. Sem aéreo



(Fonte : Rev. Viaja SP / Imagem divulgação)

Tráfego aéreo doméstico de passageiros sobe 7,8% em outubro, diz Anac




A demanda no transporte aéreo doméstico brasileiro medida em passageiros-quilômetros pagos transportados (RPK, na sigla em inglês) registrou aumento de 7,8% em outubro, comparada com o mesmo mês de 2016. Esta foi a oitava alta do indicador após 19 meses em queda, informou nesta quarta-feira a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Segundo a agência, foram transportados 7,8 milhões de passageiros pagos em voos domésticos no antepenúltimo mês de 2017.

A oferta, medida em assentos-quilômetros ofertados (ASK), na mesma comparação, registrou crescimento de 2,5%, a quarta consecutiva do indicador, que apresentou aumento em sete dos dez primeiros meses do ano.

No acumulado de 2017, a demanda teve alta de 2,7% e a oferta apresentou crescimento de 1%, em relação a igual período anterior.

Em outubro, a taxa de ocupação foi de 83,3%, o que representou alta de 5,2% frente ao mesmo mês do ano anterior. O indicador está em alta há três meses, tendo alcançado o maior nível para outubro na série histórica iniciada em 2000.

O aproveitamento nos dez primeiros meses do ano foi de 81,2%, com variação positiva de 1,7% em relação ao mesmo período de 2016.

A empresa aérea Gol manteve em outubro a liderança no mercado doméstico de passageiros. Em outubro, apresentou 35,9% de participação no RPK doméstico -- passageiros-quilômetros transportados -- e a Latam obteve 33,3%, representando variações de 1,3% positiva e 3,7% negativa, respectivamente, na comparação com o mesmo mês anterior.

A Azul alcançou participação de 16,7%, enquanto a Avianca respondeu por 13,6% da demanda doméstica. Assim, a participação das demais empresas, concorrentes das duas líderes, foi de 30,8% em outubro de 2017, o que representou aumento de 2,8% na comparação com o percentual apurado em igual mês do ano anterior.

Avianca, Gol, Azul e Latam apresentaram crescimento em suas demandas (RPK) no mês, de 19,6%, 9,2%, 5,4% e 3,8%, respectivamente.



Mercado internacional



As empresas aéreas brasileiras também registraram em outubro crescimento de demanda e de oferta nas rotas internacionais. Em outubro, a demanda apresentou aumento de 6,2%, sendo o 13º mês consecutivo de alta, enquanto a oferta cresceu 8,2%, 12º aumento consecutivo.

No mês, foram transportados 707 mil passageiros pagos em voos internacionais, o que representou o maior nível alcançado para o mês na série histórica iniciada em 2000.

No acumulado de janeiro a outubro, a demanda internacional cresceu 12,8% e a oferta aumentou 10,6%, em comparação com igual período de 2016.

A taxa de ocupação dessas empresas em outubro foi de 85,5%, o que representou redução de 1,8%, na comparação anual. Foi a terceira baixa consecutiva do indicador após sequência de 14 meses de alta. Nos dez primeiros meses do ano, o indicador ficou em 85,2%, alta de 2% na comparação com igual período de 2016.

Em termos de participação de mercado, a Latam encerrou o mês com 71,1% de participação e baixa de 5,5% no RPK. Já a Azul obteve 12,3% de participação e crescimento de 43,6% no RPK em comparação a outubro de 2016, enquanto a Gol alcançou a fatia de 10,3% (aumento de 0,5% no RPK).

A Avianca figura como a quarta empresa aérea brasileira neste mercado, passando de uma participação praticamente nula até maio de 2017 para 6,4% da demanda internacional de passageiros em outubro do ano corrente.



(Fonte : Valor / Imagem divulgação)

Abear: outubro confirma recuperação de doméstico e internacional




Com 2017 se consolidando como um ano de recuperação para o Turismo, o relatório mensal da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) confirma ainda mais essa premissa. Os números de outubro mostram mais um crescimento - o oitavo consecutivo - da demanda por viagens domésticas, +7,9% em relação ao mesmo período de 2016, enquanto a proporção de assentos ocupados do total ofertado já atinge 83,4%, recorde para qualquer outubro na aviação nacional.

Os dados da Abear, que abrangem estatísticas de Avianca, Azul, Gol e Latam, ainda mostram que as aéreas já se movimentam para atender ao crescimento da demanda após a crise. Só no mês passado, o mercado doméstico registrou uma expansão de 2,6%, em uma base anual de comparação, na disponibilidade de transportes.



Companhias aéreas
Participação de mercado em outubro (doméstico)
Gol
36,1%
Latam
33,4%
Azul
16,8%
Avianca
13,6%



Durante outubro, foram realizadas um total de 7,8 milhões de viagens, aumento de 8% ou cerca de 580 mil passageiros quando comparado ao mesmo mês de 2016. Já o índice RPK (passageiros-quilômetro transportados), com 7,7 bilhões, foi o segundo melhor da história, atrás apenas de 2014.

Em relação ao acumulado anual, ao longo dos dez primeiros meses, a demanda acumula uma alta de 3%, para uma oferta em expansão de 1,3%. O fator de carga, representado pela proporção de assentos ocupados do total ofertado, tem média de 81,2% (1,3% a mais do que em 2016) e o total de passageiros transportados já atingiu a marca de 74,2 milhões (+2,3%) em 2017.


MERCADO INTERNACIONAL



Mesmo com uma participação bem mais restrita em relação às operações internacionais - as quatro aéreas somam cerca de 30% desse mercado -, as principais companhias do País já contabilizam 13 meses consecutivos de crescimento para a demanda por viagens de/para o exterior. Em outubro, a alta foi de 6,2%, comparada ao mesmo mês de 2016, enquanto a oferta teve expansão de 8,1%. Ao todo, foram 707 mil passageiros internacionais durante o mês, o que representa um aumento de 8,3%.

Já os comparativos anuais, de janeiro a outubro, mostram um crescimento de 12,8% na demanda e 10,6% na oferta. O fator de carga, por sua vez, atinge 85,2% (+1,6%), com total de 6,9 milhões de viagens internacionais realizadas no período (+11,5%).



(Fonte : Panrotas / Imagem divulgação)

RIOgaleão anuncia novos voos e prevê aumento de 5% na demanda para o verão




Diante da expectativa de um final de ano mais otimista na aviação e de crescimento da demanda por voos, o RIOgaleão tem previsão  de um aumento no movimento do Aeroporto Internacional Tom Jobim de aproximadamente 5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Na alta temporada anterior, o RIOgaleão ofertou cerca de 8,5 milhões de assentos e agora o número pode chegar a 8,9 milhões, incluindo as novas linhas que atuarão no terminal para destinos como Europa, Estados Unidos, América do Sul e África.

De acordo com o consórcio que administra o aeroporto a qualidade dos serviços prestados aliada a maior conectividade do aeroporto com outras cidades  e os incentivos oferecidos têm atraído companhias aéreas para o terminal. Uma comparação entre 2017 com as previsões de 2018 monstra que deve haver um crescimento de 8% na oferta de assentos de voos para Europa e Estados Unidos. Já para destinos da América Latina, o aumento previsto é de 3%.

O RIOgaleão destaca a procura por conexões aumentou comparando 2016 com 2017 – entre voos domésticos com 12% e entre domésticos/internacionais, 15%. O aeroporto é um dos principais hubs da Gol. Dessa forma, o terminal facilmente se conecta com os principais destinos das regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul. Em outubro, três linhas acrescentaram novas frequências de voos e uma linha apresenta uma nova rota.



NOVOS VOOS – A Alitalia adicionou uma frequência para Roma (Itália), passando a realizar voos diários; a British Airways, que passa a operar voos com o Boeing Dreamliner 787-8, tem nova frequência para Londres (Inglaterra), totalizando seis voos por semana – a partir de maio de 2018, o voo volta a ser diário no aeroporto carioca –; e a Royal Air Maroc, que já realiza dois voos semanais para Casablanca (Marrocos), passa a viajar três vezes por semana para o destino. Para completar, a LATAM começa a operar o voo Rio-Lima (Peru) quatro vezes por semana.

A partir de dezembro, a Sky Airlines, do Chile, começará a voar do Rio para Santiago três vezes por semana. Dentre as novas companhias aéreas que estreiam suas operações no RIOgaleão, a LOT Polish Airlines, da Polônia, confirmou 15 voos de natureza não regular a serem realizados entre novembro deste ano e março do ano que vem.

Em janeiro de 2018, a Amazonas Línea Aérea, da Bolívia, chega ao RIOgaleão para operar quatro voos semanais para Assunção (Paraguai). A Aerolíneas Argentinas fará um voo semanal para Rosário (Argentina) e dois voos semanais para Córdoba (Argentina). A LATAM passa a operar voos diários para Montevidéu (Uruguai). Atualmente, a companhia aérea realiza cinco voos semanais para o destino uruguaio. Já a GOL contará com voos diários para Rosário (Argentina).

No segundo semestre de 2018, em julho, a Aerolíneas Argentinas realizará um voo semanal para Córdoba (Argentina) e a GOL operará duas vezes semanais para Mendoza (Argentina). O RIOgaleão conta com 21 companhias aéreas internacionais e quatro domésticas operando para 27 destinos nacionais e 29 para o exterior.



(Fonte : Mercado & Eventos / Imagem divulgação)

Bahiatursa fortalece vinda de voos charters para Bahia




Três operadoras portuguesas, a Soltrópico, Solférias e Exótico, trarão mais de 1 mil turistas para conhecer as terras baianas em três voos charters que chegarão em dezembro. Para apresentar e fortalecer a imagem do estado, técnicos da Bahiatursa estiveram em Portugal, no último mês de outubro, participando dos roadshows das operadoras e apresentando os atrativos.

Os visitantes querem conhecer Salvador, o Litoral Norte e as diversas opções de sol e praia que o estado oferece.

“Neste evento, fortalecemos a imagem da Bahia como destino turístico rico em atrativos e novos produtos, junto aos agentes de viagens, dando um incremento nas vendas de pacotes para a Bahia”, disse a diretora de Promoções da Bahiatursa, Regina Ahmed.

No evento da Soltrópico, que aconteceu no Funchal (Ilha da Madeira), participaram cerca de 150 agências de viagens de Portugal, assim como entidades oficiais, hotéis e a companhia aérea TAP. A Soltrópico terá uma operação charter, um voo para o fim de ano em Salvador, com partida de Lisboa em 26 de dezembro de 2017 e regresso em 2 de janeiro de 2018.



(Fonte : Mercado & Eventos / Imagem divulgação)

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Mercado prevê inflação de 3,06% e nova queda da Selic esta semana




O mercado financeiro aumentou a projeção de inflação pela terceira vez seguida. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desta vez, passou de 3% para 3,06%, este ano. A estimativa é do Boletim Focus, uma publicação divulgada toda segunda-feira no site do Banco Central (BC), com projeções para os principais indicadores econômicos.

Para 2018, a estimativa para o IPCA permanece em 4,02%. As estimativas para os dois anos permanecem abaixo do centro da meta de 4,5%, que deve ser perseguida pelo BC. Essa meta tem ainda um intervalo de tolerância entre 3% e 6%.

Para alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 8,25% ao ano.

Nesta terça e quarta-feira  (25), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reúne-se para definir a Selic. A expectativa do mercado é de ue a taxa caia para 7,5% ao ano nessa reunião. Para o fim de 2017, a expectativa permanece em 7% ao ano. Essa também é a projeção para o fim de 2018.

Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

A projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi levemente ajustada de 0,72% para 0,73%, este ano. Para 2018, a estimativa de expansão segue em 2,50%.



(Fonte : Ag. Brasil de Notícias / Imagem divulgação)

Cerca 100 mil empresas serão impedidas de transmitir declaração do Simples




Aproximadamente 100 mil micro e pequenas empresas estarão impedidas de transmitir a Declaração Mensal do Simples Nacional (PGDAS-D) do mês de novembro, alertou a Receita Federal. O PGDAS-D é um aplicativo disponível no Portal do Simples Nacional, que serve para o contribuinte efetuar o cálculo dos tributos devidos mensalmente na forma do Simples Nacional e imprimir o documento de arrecadação (DAS).

Nos últimos anos, a Receita Federal vem trabalhando no combate a diversos tipos de fraudes detectadas nas informações prestadas pelas empresas por meio das declarações apresentadas ao órgão.

No caso dos contribuintes do Simples Nacional, a Receita já identificou quase 100 mil empresas que, sem amparo legal, assinalaram no PGDAS-D campos como “imunidade”, “isenção/redução-cesta básica” ou ainda “lançamento de ofício”. Essa marcação acaba por reduzir indevidamente o valor dos tributos a serem pagos, explicou a Receita.

A partir do dia 21 de outubro, a empresa que foi selecionada na malha da Receita, antes de transmitir a declaração do mês, terá de retificar as declarações anteriores, gerar e pagar o DAS complementar para se autorregularizar, evitando assim penalidades futuras, como a exclusão do regime do Simples Nacional. O próprio PGDAS-D apontará as declarações a serem retificadas.

“A Receita informa ainda que as empresas não serão pegas de surpresa. Essa ação já foi amplamente divulgada por notícias publicadas tanto no sítio da Receita quanto no Portal do Simples Nacional, com orientações para o contribuinte se autorregularizar”, destacou o órgão.



(Fonte : Ag. Brasil de Notícias / Imagem divulgação)

Cadastur : Novos registros crescem 31% em um mês




O Ministério do Turismo iniciou, em setembro, o trabalho de fiscalização ativa dos prestadores de serviço turísticos de cadastro obrigatório no Cadastur e os resultados positivos já começaram a aparecer. De acordo com a Pasta, no mês de setembro foram registrados 2.279 cadastros contra 1.736 do mês anterior, um crescimento de 31%.

No levantamento da Pasta, os estados com o maior crescimento foram Bahia, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. A capital baiana dobrou o número de cadastros novos - 50 para 104. Rio de Janeiro e São Paulo registraram um crescimento da ordem de 40% - 218 para 310 e 344 para 485 - respectivamente. Na capital mineira, foram observados 239 novos registros conta 190 no mês anterior.

No Distrito Federal, local de início da fiscalização, o número de novos cadastros passou de 33, em agosto, para 42 em setembro. De acordo com a Lei Geral do Turismo, meios de hospedagem, agências de turismo, transportadoras turísticas, organizadoras de eventos, guias de turismo, acampamentos turísticos e parques temáticos são de registro obrigatório no cadastro do Ministério do Turismo.

“O objetivo da fiscalização não é punir, mas assegurar que os estabelecimentos e prestadores de serviço em geral estejam dentro da legalidade do setor. Acreditamos que este é um passo importante na busca de um serviço mais qualificado para nossos turistas e estamos confiantes do sucesso desta inciativa”, comentou Tamara Galvão, coordenadora-geral de Cadastramento e Fiscalização de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo.



CADASTUR - Além das atividades de cadastro obrigatório, estabelecimentos como restaurantes, parques aquáticos, marinas, centros de convenções e locadoras de veículos têm cadastro facultativo.

A inscrição gratuita no sistema pode ser feita pelo site http://www.cadastur.turismo.gov.br. No portal, turistas podem conferir se serviços ofertados no setor atendem a uma série de requisitos, garantindo um nível mínimo de segurança e qualidade.

As pessoas físicas e jurídicas cadastradas no Cadastur podem participar de vários programas e projetos do governo federal, a exemplo de ações de qualificação e apoio em eventos e feiras. Além disso, os empreendimentos têm acesso a financiamentos por meio de bancos oficiais.



(Fonte : MTur / Imagem divulgação)